Record compra rádios e televisão no RS

A Rede Record comprou as rádios Guaíba AM e FM e a TV Guaíba da Empresa Jornalística Caldas Júnior, de Porto Alegre. O negócio foi confirmado nesta quinta-feira pelo diretor administrativo do grupo gaúcho, Carlos Alberto Bastos Ribeiro. Por acordo entre as partes, os valores não foram divulgados. A operação é estimada pelo mercado em R$ 100 milhões e inclui a transferência do imóvel da emissora de televisão, localizado no Morro Santa Tereza, com uma das vistas mais privilegiadas da cidade e do lago Guaíba. Procurada pela reportagem do jornal O Estado de S. Paulo, a Record informou, por sua assessoria de imprensa, que não comentaria o assunto.A Rádio Guaíba AM está no ar desde 1957 com programação voltada quase integralmente para o jornalismo e os esportes e tem um público fiel entre os gaúchos. A Rádio Guaíba FM foi criada em 1980 e transmite música ambiental e clássicos internacionais. A TV Guaíba foi fundada em 1979 e divide sua programação entre filmes antigos, transmissões esportivas e espaços locados a produtores independentes.Embora tenha se desfeito das emissoras, a Caldas Júnior vai manter seu veículo mais tradicional, o jornal Correio do Povo, que completa 113 anos em 1º de outubro. A companhia gaúcha ficou nas mãos da família Caldas Júnior da fundação até 1986, quando, em dificuldades financeiras, foi vendida para o empresário e economista Renato Bastos Ribeiro. A venda da mídia eletrônica foi definida pelo diretor administrativo como "uma oportunidade de negócio".A Rede Record, controlada por Edir Macedo, líder da Igreja Universal do Reino de Deus, já tem como afiliada no Rio Grande do Sul a TV Pampa, com uma emissora em Porto Alegre e sete retransmissoras no interior do Estado. O acordo entre as duas redes vai até o final de 2009. Além da televisão, a Rede Pampa tem seis emissoras de rádio e o jornal diário O Sul.A data de transferência das operações das rádios e da televisão para a Record não estão definidas e ficam na dependência das formalidades legais. Como os novos donos não esclareceram suas intenções, o negócio deixou o mercado gaúcho preocupado. O presidente da Associação Riograndense de Imprensa (Ari), Ercy Pereira Torma, torce para que as especulações de que a emissora venha a ser usada para fins religiosos não se concretizem. "Isso seria prejudicial para a sociedade", comentou, manifestando a esperança de que os novos donos optem por investir em jornalismo. Torma também espera que a Guaíba AM mantenha a mesma credibilidade e força que consolidou ao longo dos anos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.