Recursos do Fundo Garantidor de Crédito sobem a R$ 11 bi

O Fundo Garantidor de Crédito (FGC) acumulou contribuições de R$ 801,29 milhões no primeiro semestre de 2006, uma média mensal de R$ 133,5 milhões. No mesmo período de 2005, as contribuições somaram R$ 684,60 milhões, uma média mensal de R$ 114,1 milhões. O FGC, criado em 1995, administra mecanismos de proteção a titulares de créditos, como conta corrente ou poupança. Essas garantias podem ser executadas em casos de decretação de intervenção, liquidação extrajudicial ou falência de bancos e outras instituições financeiras associadas. A receita líquida total de arrecadação do FGC somou R$ 853,80 milhões em junho passado, ante R$ 733,31 milhões um ano antes. O superávit do semestre cresceu de R$ 536,49 milhões para R$ 1,555 bilhão. Somado ao saldo inicial de cada período, o fundo totalizava patrimônio de R$ 11,258 bilhões em junho de 2006, ante R$ 8,133 bilhões em junho de 2005. Desde o ano passado, por decisão do Conselho Monetário Nacional (CMN), a alíquota de contribuição dos bancos ao FGC caiu pela metade (de 0,025% para 0,0125% do total de depósitos). O valor de cobertura foi ampliado de R$ 20 mil para R$ 60 mil. Essas medidas foram tomadas em função da solidez do fundo, que detém recursos suficientes para fazer frente a qualquer demanda dentro do seu escopo de atuação.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.