Reino Unido pode perder rating AAA se novo governo não agir contra dívida

S&P afirmou que a perspectiva para o rating AAA do governo britânico permanece negativa e que vai revisá-la quando a política fiscal de médio prazo ficar mais clara, depois eleições parlamentares

Danielle Chaves, da Agência Estado,

29 de março de 2010 | 08h32

O Reino Unido pode perder seu rating de crédito AAA se o novo governo não agir para decisivamente cortar a dívida do setor público, afirmou em relatório a agência de classificação de risco Standard & Poor's. As eleições britânicas estão previstas para o dia 3 de junho.

 

Na semana passada, o governo britânico divulgou um novo orçamento que manteve a meta anterior de reduzir à metade o déficit orçamentário nos próximos quatro anos. No entanto, isso envolverá um contínuo aumento da dívida do setor público para 75% do Produto Interno Bruto (PIB) no ano fiscal que terminará em março de 2015, de 54,1% do PIB no ano fiscal que vai terminar na quarta-feira desta semana.

 

"Na ausência de um plano de consolidação fiscal mais forte, o ônus da dívida líquida geral do governo pode se aproximar de um nível incompatível com um rating AAA", disse a S&P. "O rating pode ser rebaixado se concluirmos que a estratégia fiscal futura do governo provavelmente não colocará o ônus da dívida do Reino Unido em uma trajetória baixista segura durante o médio prazo", acrescentou.

 

A S&P afirmou que a perspectiva para o rating AAA do governo britânico permanece negativa e que vai revisá-la quando a política fiscal de médio prazo ficar mais clara, depois eleições parlamentares. O oposicionista Partido Conservador, que tem uma liderança apertada nas pesquisas de opinião, tem dito que vai anunciar um orçamento emergencial 50 dias depois de formar um novo governo, caso seja eleito. Já o governista Partido Trabalhista não indicou que vai elaborar um novo orçamento. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
Reino UnidoS&P

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.