Repercussão de venda da Cteep é positiva apenas para Cesp

As ações preferenciais da Transmissão Paulista (Cteep) reagiram em forte queda (-6,94%, para R$ 20,10) ao anúncio do preço mínimo para o leilão de privatização da companhia, de R$ 755,6 milhões (R$ 24,11/mil ações). O valor de venda da empresa ficou abaixo da expectativa dos analistas do setor. A repórter da Agência Estado Teresa Navarro apurou que o governo de São Paulo decidiu vender a Cteep sem obter uma nova concessão de transmissão, de 30 anos - a atual vence em 2015. Para conseguir a nova concessão, o governo precisava negociar com a Aneel todos os termos do edital de privatização e ainda dependeria de um decreto do presidente da República. Optando por vender a empresa com a concessão atual, essas obrigações não existem mais. Ao mesmo tempo, o preço da empresa fica mais baixo. Sem a nova concessão, haverá uma nova revisão tarifária, segundo explicou o secretário de Energia de São Paulo, Mauro Arce. Apesar do preço mínimo de venda da Cteep ter ficado abaixo do esperado, os especialistas do setor consideraram o anúncio positivo para a Cesp, pois finalmente foi determinada uma data para o leilão, que havia sido adiado diversas vezes desde fevereiro. Abrindo mão de obter um contrato de concessão de 30 anos para a Cteep, a Cesp conseguirá vender a companha ainda neste ano, antes das eleições. Com isso, também foi agilizado o processo de recuperação da Cesp. "O dinheiro do leilão está 'carimbado'. O que for arrecado vai direto para a Cesp", comentou uma fonte. Cesp PN teve forte volatilidade, mas fechou o dia em alta de 2,70%. (Extrato do cenário sobre o mercado de capitais produzido pelo AE Empresas e Setores. O cenário é divulgado diariamente com comentários sobre o desempenho das ações na Bovespa)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.