C&A/Divulgação
C&A/Divulgação

Reserva do IPO da C&A começa nesta segunda-feira

Investidores interessados nas ações da varejista, que abre capital este mês, podem pedir a compra até o dia 23; dependendo da demanda, porém, poderão não ser totalmente atendidos

Fernanda Guimarães e Márcia de Chiara, O Estado de S.Paulo

14 de outubro de 2019 | 13h56

O período de reserva da oferta inicial de ações (IPO, na sigla em inglês) da varejista C&A, que poderá movimentar até R$ 2,2 bilhões, começou nesta segunda-feira, 14. É nesse momento em que os investidores, interessados em participar da oferta, solicitam a compra das ações.

A depender da demanda no mercado, contudo, o investidor poderá sofrer rateio, o que significa que ele pode não ficar com todo o volume desejado inicialmente. O preço final da ação será dado no dia 24 deste mês. O período de reserva para o público em geral vai até o dia 23.

 

​Quem pode participar do IPO

Ao contrário da oferta da Vivara, na qual foi utilizada estrutura de lock-up (uma espécie de trava que impede a venda imediata das ações) para o varejo, a da C&A não terá essa restrição para a venda. Até 20% da oferta, assim, será destinada às pessoas físicas. Para esse público, os pedidos feitos no período de reserva não podem ser mais desfeitos, conforme destaca o prospecto do IPO. Os investidores não institucionais, contudo, não participam do fechamento de preço da ação na oferta.

Resumo do IPO da C&A

A C&A chegará na Bolsa com um valor de mercado entre R$ 5 bilhões e R$ 6 bilhões, o que dependerá do preço em que a ação será precificada. A oferta é primária e secundária, sendo a última com a venda de ações detidas hoje pela holding Cofra, da família Brenninkmeijer, dos irmãos Clemens e August, cujas inicias batizaram a varejista.

"O interesse dos investidores está muito alto", comenta uma fonte. A visão tem sido de que a C&A conseguirá entregar crescimento após a oferta, com a promessa de reforma de lojas e expansão no País. De acordo com o prospecto da oferta, os recursos que irão ao caixa da companhia serão utilizados para o pré-pagamento de dívida entre empresas do mesmo grupo, além de expansão orgânica.

Preço da ação e volume da oferta

O período de encontro com investidores, o chamado roadshow, vai até o dia 24, mesma data da precificação da ação. O intervalo proposto é de R$ 16,50 a R$ 20. A ação, que será batizada de "CEAB3", fará sua estreia na B3 no dia 28 de outubro. O papel será listado no Novo Mercado, que é o segmento de mais elevadas exigências de governança corporativa da Bolsa.

A oferta prevê a distribuição primária inicialmente de 49.315.068 ações e secundária inicialmente de 32.876.720 ações. O lote principal poderá ser acrescido em até 20% do total, ou 16.438.358 ações, considerando o lote adicional. Já o lote suplementar considera a colocação de até 15% a mais, o correspondente a 12.328.768 ações.

História da C&A

Presente no País há mais de 40 anos, a rede varejista C&A foi fundada em 1861 na Holanda pelos irmãos Clemens e August da família Brenninkmeijer. As iniciais do nome dos fundadores deram origem à marca da empresa, que foi uma das primeiras a vender roupas prontas no mundo. A sexta geração da família detém 100% do controle da empresa.

Hoje a companhia está presente em 23 países. No Brasil, ocupava a quarta posição no ranking de moda, com faturamento estimado em 2017 de R$ 4,6 bilhões, segundo o Instituto Brasileiro de Executivos do Varejo (Ibevar)/ FIA. Em meados deste ano, a rede tinha 280 lojas em funcionamento no Brasil.

Mesmo com a economia brasileira em marcha lenta, o presidente da varejista, Paulo Correa, disse ao Estado, no início de junho, que pretendia ao menos abrir dez novos pontos de venda até o final de 2019.

Com a crise do fast fashion tradicional, que transporta o que está acontecendo nas passarelas rapidamente para as lojas, modelo que tem levado concorrentes ao insucesso de vendas, a companhia mudou esse conceito na sua operação. Na prática, a empresa traz a moda das ruas, isto é, o que as pessoas estão querendo no momento, para as prateleiras das lojas.

Calendário do IPO da C&A

 

  • 14 de outubro: início do período de reserva das ações
  • 23 de outubro: fim do período de reserva das ações 
  • 24 de outubro: divulgação do preço final da ação
  • 28 de outubro: estreia da ação CEAB3 na B3

IPO do BMG

Além da oferta da C&A, o banco BMG também está na rua com seu IPO. O período de reserva, nesse caso, começou na última sexta-feira, dia 11. A precificação da ação também será no dia 24. Na oferta do BMG está sendo utilizada a estrutura de lock-up, que impede a comercialização da ação por um determinado período. Por conta dessa estrutura, o porcentual destinado ao varejo poderá ser de até 20%.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.