Revisão do PIB deve puxar bolsas em NY para cima

Às 10h15 (horário de Brasília) o índice Dow Jones futuro subia 0,14%, o S&P 500 avançava 0,10% e o Nasdaq tinha alta de 0,19%

Clarissa Mangueira, da Agência Estado,

29 de agosto de 2012 | 10h34

Os índices futuros das Bolsas de Nova York apontam para uma abertura em alta, após o crescimento da economia dos Estados Unidos ser revisado em alta e ficar em linha com as previsões. Enquanto isso, as bolsas da Europa reduziram as perdas, ajudadas por declarações da chanceler da Alemanha, Angela Merkel, e do primeiro-ministro da Itália, Mario Monti, que se reuniram nesta quarta-feira.

Às 10h15 (horário de Brasília), o índice Dow Jones futuro subia 0,14%, o S&P 500 avançava 0,10% e o Nasdaq tinha alta de 0,19%. O Standard Chartered descreveu os números do PIB dos EUA como "um relatório mais forte que o esperado, particularmente devido a uma mudança nos estoques e nas exportações líquidas".

Na Europa, Merkel disse que está convencida de que as reformas promovidas pelo governo da Itália vão gerar frutos, mas ela descartou novamente a ideia de conceder uma licença bancária ao Mecanismo de Estabilidade Europeu (ESM, na sigla em inglês).

No horário citado acima, a Bolsa de Londres caía 0,28%, Frankfurt subia 0,10% e Paris perdia 0,32%.

Apesar da melhora nas bolsas, os investidores ainda aguardam o discurso do presidente do Federal Reserve (Fed), Ben Bernanke, no simpósio anual do Fed de Kansas, que será realizado na sexta-feira, em Jackson Hole.

Além da fala de Bernanke, a atenção estará voltada para o Furacão Isaac, que atingiu a costa do sul da Louisiana na noite de terça-feira. Perto de 93% da produção no Golfo do México, o equivalente a 1,3 milhão de barris por dia, foram suspensos com a aproximação do Isaac, que ganhou força e passou de tempestade tropical para furacão de categoria 1, segundo a consultoria Petromatrix.

Os contratos futuros do petróleo para outubro recuavam 0,10%, para US$ 96,22 o barril, na Nymex, por volta das 10h15 (horário de Brasília), em meio à expectativa de que a produção no Golfo do México logo volte ao normal e também pressionados pela alta nos estoques dos EUA e rumores de uma possível liberação de reservas de emergência.

No câmbio, o dólar reduziu a alta depois da divulgação do relatório sobre a revisão do crescimento econômico norte-americano. Às 10h15 (horário de Brasília), o euro era negociado em US$ 1,2557, de US$ 1,2565 no fim da tarde de terça-feira. O dólar estava em 78,62 ienes, de 78,50 ienes na terça-feira. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
NYbolsasPIB

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.