Rio anuncia instalação de 3 indústrias termoplásticas

O secretário de Energia, Indústria Naval e Petróleo, Wagner Victer, aproveitou a abertura do Congresso Mundial de Polímeros hoje no Rio para anunciar a instalação de três novas empresas de transformação plástica no Estado. Duas delas serão inauguradas amanhã no município de Carmo, no noroeste do Estado, e uma em Bom Jardim, na região serrana. Segundo ele, os investimentos serão da ordem de R$ 15 milhões, com a geração de 1.200 empregos diretos nos dois municípios.A Unipac e a Polycomposite, que se instalarão em Campos, utilizarão como matéria-prima o polietileno e o polipropileno, produzidos pelo Pólo Gás-Químico (Rio Polímeros) e Polibrasil respectivamente. Ainda segundo Victer, a Polycomposite é especializada na fabricação de matéria-prima para indústrias de peças plásticas para automóveis. Já a Unipac é fornecedora mundial de compostos de plástico para a fábrica sueca de caminhões Volvo. Já a Pastseven, que estará localizada na região serrana, é especializada na produção de embalagens flexíveis, como filmes plásticos, e consumirá o polietileno oriundo do Pólo Gás-Químico.A abertura e o primeiro painel do congresso foram finalizados esta manhã e contaram com a presença de dirigentes da Associação Brasileira de Polímeros (ABPol), do Sindicato das Indústrias de Material Plástico do Estado do Rio de Janeiro (SIMPERJ), da Rio Polímeros, Polibrasil e Suzano, entre outros.Realizado de dois em dois anos, o congresso teve sua última edição em Paris, na França e é o mais importante do setor, reunindo cerca de 1800 representantes do setor. Na abertura, o representante da Iupac (International Union of Pure and Applied Chemistry) o estado do Rio de Janeiro foi escolhido para sediar o congresso porque, através de ações e incentivos do governo do estado, hoje possui o setor de petroquímica e polímeros reativado e em expressiva expansão, sendo que alguns empreendimentos foram fundamentais: a implantação do Pólo Gás-Químico, ampliações como a da Polibrasil e de outras unidades petroquímicas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.