Risco Brasil cai e puxa dólar junto

Pelo terceiro dia consecutivo, o dólar comercial apresentou queda, pressionado pela baixa do risco País - taxa que mede a desconfiança do investidor estrangeiro em relação à capacidade de pagamento do país - que atingiu hoje a baixa recorde de 269 pontos. A cotação da moeda norte-americana, que fechou em R$ 2,244, caiu 0,62% nesta terça-feira e já acumula perda de 3,48% em 2006. É a menor cotação desde 8 de dezembro do ano passado. Acumulando os resultados desde a última quinta-feira, o dólar apresenta desvalorização de 2,61% ante o real. A Bolsa de Valores de São Paulo, por sua vez, teve pontuação histórica, atingindo 37.399, o que representou uma variação positiva de 2,10%. Foi o sétimo recorde deste ano. Operou entre a máxima de 37.428 pontos (+2,17%) e a mínima de 36.632 pontos (estável). Com esse resultado, a bolsa passou a acumular valorização de 11,79% em janeiro. O movimento financeiro ficou em R$ 2,306 bilhões. Entre os papéis que compõem o Índice Bovespa, as maiores altas foram Bradespar PN (+5,79%), Net PN (+5,22%) e Bradesco PN (+5,19%). As maiores baixas foram Braskem PNA (-3,29%), BRT Par ON (-2,78%) e Light ON (-2,65%).

Agencia Estado,

25 de janeiro de 2006 | 08h07

Tudo o que sabemos sobre:
finanças

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.