Rondeau diz que gasto com gás da Bolívia será recuperado

O ministro de Minas e Energia, Silas Rondeau, afirmou esta tarde que os gastos a mais que a Petrobras terá com o acordo fechado com a Bolívia para o preço do gás são "recuperáveis". O acordo estabelece que o Brasil pagará a mais, seguindo as cotações internacionais, pelos componentes mais nobres do gás natural, que excederem um piso energético estabelecido em 8.900 quilocalorias por metro cúbico de gás.Rondeau explicou que esse gasto adicional será recuperado tão logo a Petrobras instale uma fábrica de separação desses componentes para vendê-los à indústria petroquímica. Mas, por enquanto, ainda não há uma previsão de quando essa indústria poderá ser instalada. "A Petrobras deverá achar uma solução no curto prazo para resolver isso. A empresa já está investindo em novas refinarias, por exemplo, e deverá ter uma resposta para isso", afirmou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.