Saída de estrangeiros aprofunda queda da Bovespa

Operadores estão registrando a saída de estrangeiros essa semana da Bolsa de Valores de São Paulo. Esse seria um dos motivos para as perdas mais fortes das ações das siderúrgicas e da Vale do Rio Doce, que estão sendo descontadas desde ontem. A saída do capital externo está sendo reforçada nessa manhã, segundo profissionais, porque a Bovespa é um dos mercados brasileiros que mais gordura têm a queimar. A queda de siderurgia e mineração também tem outra influência externa: a desvalorização das ações da BHP Billiton na Bolsa de Londres. A companhia divulgou hoje resultado levemente abaixo das previsões dos analistas. A companhia obteve lucro líquido recorde de US$ 10,45 bilhões no ano fiscal encerrado em 30 de junho, com salto de 63% em relação ao ano fiscal anterior, quando o grupo lucrou US$ 6,40 bilhões. O Ibovespa perdeu o suporte dos 36 mil pontos e, próximo das 12h20, registrava queda de 2,70%, na mínima de 35.686 pontos. A perda é bem maior que a das bolsas dos Estados Unidos, que chegaram a subir hoje, mas também aprofundam as baixas. O motivo para o desconto é o aumento da preocupação do mercado com o desaquecimento da economia dos Estados Unidos. Dessa vez, os indicadores negativos de crescimentos em determinadas áreas, antes comemorados por evitarem alta nos juros, agora estão sendo vistos com reserva. O mercado teme que a dose tenha sido muito forte e que a economia dos Estados Unidos entre em recessão, o que causa um efeito dominó nas exportações de muitos países. Entre as ações mais negociadas da Bolsa, várias recuam acima de 3%: Vale, Usiminas, CSN, Eletrobrás PNB, Copel, Itaúsa e Cosan. Apenas Tim Participações sobe no Ibovespa.

Agencia Estado,

23 de agosto de 2006 | 12h29

Tudo o que sabemos sobre:
finanças

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.