Santander Banespa amplia ofensiva para manter servidores estaduais

O Santander Banespa lançou hoje nova ofensiva para manter a conta corrente dos servidores públicos do Estado de São Paulo, que em janeiro de 2007 passarão a receber salário pela Nossa Caixa. O banco anunciou um pacote de ofertas, que inclui isenção de tarifa na conta corrente, crédito com prazos maiores e menores taxas e garantia do depósito dos salários. Do total de 1,1 milhão de funcionários públicos do Estado, cerca de 860 mil são hoje clientes da instituição. A perda da conta de salário desses clientes já estava prevista no edital de privatização do Banespa.O vice-presidente de Projetos Especiais do Santander Banespa, Román Blanco, disse que os servidores que mantiverem conta corrente no banco e optarem por transferir o salário, aposentadoria ou pensão para a instituição, logo depois de receberem os valores via Nossa Caixa, terão isenção total de tarifa a partir de janeiro de 2007.Tais funcionários públicos também contarão com um certificado de garantia de salário, por meio do qual o Santander Banespa se comprometerá a depositar a remuneração na data habitual, na conta corrente do funcionário, caso haja qualquer problema de atraso de depósito pelo banco de origem ou pelo governo. O salário médio dos servidores clientes do Santander Banespa é de R$ 1.600.Em relação a crédito, o banco oferecerá empréstimo consignado com juros a partir de 1,99% ao mês e até 72 meses para pagar. Também terá crédito pessoal com taxa de 1,99% ao mês, prazo de até 48 meses e limite de R$ 4 mil por cliente. Essa linha será oferecida aos servidores já a partir do próximo mês.Para divulgar o pacote de ofertas, o Santander Banespa está enviando uma caixa com folhetos explicativos e cinco brindes - como porta-talão de cheques e porta-cartão - para os 860 mil servidores clientes da instituição. Nessa caixa, há também uma proposta de transferência dos salários para o Santander, a ser assinada pelo servidor e devolvida ao banco. "Vamos recolher a comunicação assinada e enviar à Nossa Caixa, para que os clientes não tenham trabalho", disse Blanco.Além do pacote de ofertas, o Santander diz contar com o tamanho da rede de agências, o atendimento personalizado e os serviços que já oferece para reter os servidores. "Apenas na Grande São Paulo temos quase duas vezes e meia o número de pontos de atendimento do concorrente", afirmou. São 251 pontos, entre agências e postos de atendimento bancário (PABs). No Brasil, são 2 mil pontos próprios.Segundo o executivo, o Santander tem uma equipe de profissionais especializados no atendimento aos servidores. São 657 gerentes de negócios voltados a esse público. "Os servidores são clientes com 20 anos, em média, de relacionamento com o banco", disse. Entre os produtos já desenvolvidos para fidelizar os servidores está o cartão premium, com anuidade grátis e desconto de 2% na fatura para compras em supermercados e postos de combustíveis."Os servidores são um número relevante de clientes, muito importante para o banco", destacou Román Blanco. Para ele, a ofensiva do Santander Banespa está em sintonia com a recente medida aprovada pelo Conselho Monetário Nacional (CMN) de garantir o direito do trabalhador de escolher o banco de sua preferência para o recebimento dos salários. A Resolução 3.402 do Banco Central, de setembro deste ano, obriga todos os bancos a abrir conta salário para os trabalhadores públicos e privados a partir de 2007."Essa resolução mudou todo o cenário. Os salários passarão a ser depositados em uma conta transitória, podendo ser transferidos para outra instituição a pedido do trabalhador, que deve ordenar isso uma vez só", disse o executivo. De acordo com ele, o Santander Banespa está há uma semana enviando a comunicação de autorização de transferência de salários aos servidores. Por enquanto, mandaram 200 mil das 860 mil correspondências previstas. "Os resultados são bons", afirmou, sem falar em números.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.