Secretário do Tesouro dos EUA pede que se evite política cambial competitiva

Afirmação de Timothy Geithner foi feita por meio de carta enviada aos seus colegas do G-20 antes do encontro que iniciam amanhã na Coreia do Sul

Hélio Barboza, da Agência Estado,

22 de outubro de 2010 | 09h12

As maiores economias do mundo devem evitar usar suas taxas de câmbio para crescer às custas de seus parceiros comerciais, recomendou o secretário do Tesouro dos EUA, Timothy Geithner.

Os membros do Grupo das 20 nações industrializadas e em desenvolvimento (G-20) deveriam "comprometer-se a se abster de políticas cambiais elaboradas para conseguir vantagem competitiva, seja pelo enfraquecimento de suas moedas ou por impedir a apreciação de uma moeda subvalorizada", disse Geithner numa carta enviada aos seus colegas do G-20 antes do encontro que eles iniciam amanhã na Coreia do Sul.

O secretário do Tesouro norte-americano evitou nomear países que ele suspeita terem adotado tais políticas, mas suas declarações vêm em meio à intensificação da vigilância sobre a China, cuja decisão do começo deste ano de permitir maior flexibilidade ao yuan até agora não levou ao tipo de apreciação que os EUA e muitos países europeus consideram necessária.

"Os mercados emergentes do G-20 com moedas significativamente subvalorizadas e adequadas reservas preventivas precisam permitir que suas taxas de câmbio ao longo do tempo se ajustem plenamente a níveis consistentes com os fundamentos econômicos", disse Geithner.

Mais especificamente, o secretário recomendou que os membros do G-20 procurem manter seus desequilíbrios externos dentro de um nível definido em relação ao Produto Interno Bruto (PIB). Ele pediu o aumento da poupança nacional e da competitividade internacional entre países deficitários, como os EUA, e mudanças em "políticas cambiais, fiscais e estruturais para impulsionar as fontes domésticas do crescimento " nos países com grandes superávits externos.

Geithner disse que "algumas exceções podem ser necessárias para os países que são estruturalmente grandes exportadores de matérias-primas", formulação que no contexto do G-20 se aplica à Arábia Saudita e, em menor escala, à Rússia. A Arábia Saudita teve no ano passado o maior superávit em conta corrente do G-20, de 6,1% do PIB. Contudo, os superávits mais polêmicos são os gerados pelos setores industriais da China, da Alemanha e do Japão, países que quase certamente vão se opor à iniciativa de Geithner.

O secretário também conclamou o G-20 a ampliar o papel do Fundo Monetário Internacional (FMI) no "monitoramento da evolução de nossos compromissos", por meio da emissão de uma revisão semestral do cumprimento da agenda declarada do grupo. Ele também pediu que seus colegas do G-20 assinem um declaração final sobre as reformas na governança do FMI, uma agenda para dar mais voz às economias emergentes nas decisões do Fundo. As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.