Sem fôlego para subir, Bovespa registra baixa de 0,23%

A Bolsa de Valores de São Paulo registrou queda hoje. Não teve fôlego para subir mais, depois de ter registrado ganhos fortes na semana, e viu o mesmo acontecer em Nova York, após dois recordes consecutivos de fechamento do índice Dow Jones. E, ainda, indicadores norte-americanos divulgados esta manhã reforçaram essa direção. O Ibovespa, principal índice da Bolsa paulista, cedeu 0,23%, para 45.849 pontos. Na quarta-feira, o índice bateu pontuação recorde no encerramento dos negócios, aos 45.995 pontos. A forte queda do número de obras residenciais iniciadas em janeiro nos Estados Unidos, divulgada hoje, pesou desde a abertura dos negócios em Wall Street, apesar do índice de preços ao inflação ao produtor norte-americano (PPI) ter vindo em linha com as estimativas. O sentimento do consumidor, da Universidade de Michigan, divulgado no início da tarde, também veio abaixo do esperado e não ajudou na recuperação das ações. Por fim, tanto aqui, quando lá, a perspectiva de um feriado prolongado (carnaval no Brasil até terça-feira e Dia do Presidente nos EUA na segunda-feira) levou investidores a venderem ações para embolsarem os lucros. O número de obras residenciais iniciadas em janeiro nos EUA despencou 14,3%, para uma taxa anual sazonalmente ajustada de 1,408 milhão, o menor nível desde agosto de 1997. A previsão média era de uma queda de apenas 2,6%. Já o PPI caiu 0,6% em janeiro, como o previsto. Porém o índice de sentimento do consumidor de meados de fevereiro da Universidade de Michigan caiu para 93,3, de 96,9 em janeiro, abaixo das estimativas dos economistas (de 96). Em Nova York, por volta das 18h15 (horário de Brasília), o índice Dow Jones perdia 0,10% e o Nasdaq, da Bolsa eletrônica, caía 0,09%. Por aqui, o Ibovespa oscilou entre a mínima de -0,74% e a máxima de +0,02%. O volume negociado foi reduzido, refletindo a calmaria pré-feriado, e totalizou R$ 2,69 bilhões.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.