S&P 500 e Dow recuam de nível histórico; Nasdaq sobe

As principais Bolsas de Nova York recuaram de seus níveis recordes e encerraram o pregão em queda nesta quinta-feira, 19, interrompendo a série de quatro sessões em alta dos índices Dow Jones e S&P 500, em meio a um movimento de realização de lucros.

Agencia Estado

19 de setembro de 2013 | 18h13

O índice Dow Jones recuou 40,39 pontos (-0,26%), fechando a 15.636,55 pontos. O S&P 500 caiu 3,18 pontos (-0,18%), terminando a 1.722,34 pontos, enquanto o Nasdaq voltou a renovar a máxima de setembro de 2000 ao subir 5,74 pontos (+0,15%), aos 3.789,38 pontos.

Para o diretor do portfólio de ações da Principal Global Investors, Jeff Schwarte, os investidores foram pegos desprevenidos pela atuação surpreendente do Federal Reserve (Fed, o banco central dos Estados Unidos) na véspera. "Eles, o Fed, criaram alguma confusão, e injetaram uma considerável dose de incerteza nas ações futuras de política monetária", afirmou.

Isso porque o Fed manteve o programa de estímulos de US$ 85 bilhões em compras de ativos, contrariando a expectativa da maior parte dos analistas por uma redução entre US$ 10 bilhões e US$ 15 bilhões. O presidente da autoridade monetária, Ben Bernanke, disse que um freio nos estímulos poderia ter início ainda neste ano, mas voltou a ressaltar que as mudanças de política monetária estão condicionadas à melhora dos dados econômicos.

A sessão também foi marcada por um movimento de realização de lucros, principalmente nos setores considerados mais defensivos, disse o estrategista de mercado da JonesTrading Institutional Services, Yousef Abbasi. Os investidores também avaliam a mensagem do banco central norte-americano de que a economia ainda não consegue andar por conta própria.

Em meio à repercussão do comunicado do Fed, os bons indicadores econômicos tiveram pouco impacto sobre as ações norte-americanas. As vendas de moradias usadas subiram 1,7% em agosto ante julho, para o nível mais alto em quase sete anos e superando de longe a previsão de economistas de uma queda de 2,6%. Além disso, o índice de atividade industrial do Fed da Filadélfia teve uma alta inesperada em setembro, enquanto os pedidos de auxílio-desemprego subiram menos que o esperado na semana passada.

O índice de indicadores antecedentes dos EUA, divulgado pelo Conference Board e que sugere a direção da economia nos próximos meses, subiu 0,7% em agosto, para 96,6, exatamente como esperado por analistas. E o déficit em conta corrente do país caiu para US$ 98,89 bilhões no segundo trimestre, de um déficit revisado de US$ 104,9 bilhões nos três meses anteriores.

No noticiário corporativo, as ações do JPMorgan caíram 1,24%, pressionadas pela multa de US$ 920 milhões no caso London Whale, ocorrido em 2012. A decisão foi anunciada pelos reguladores dos EUA e do Reino Unido. Também ganharam destaque os papéis da Rite Aid, em valorização de 23,45% após a rede de farmácias anunciar um inesperado lucro para o segundo trimestre fiscal e elevar suas projeções de ganhos para o ano.

Entre as blue chips, as ações da Home Depot lideraram os ganhos do Dow Jones, com valorização de 1,47%. Logo em seguida vieram os papéis da Travellers Cos (+1,15%) e da Microsoft (+0,96%). Na ponta negativa, as ações da UnitedHealth Group voltaram a registrar as maiores perdas do dia, com desvalorização de 3,01%. As ações da Hewlett-Packard (-2,23%) e da Waly Disney (-2,07%) também se destacaram no campo negativo. Fonte: Dow Jones Newswires.

Tudo o que sabemos sobre:
Bolsa de Valores

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.