S&P corta rating da Tepco citando piora no desempenho de sua dívida

S&P cita também incertezas sobre quanto tempo governo irá demorar para prestar qualquer apoio extraordinário a Tepco no atual ambiente político

Cynthia Decloedt, da Agência Estado ,

30 de maio de 2011 | 12h17

A agência de classificação de risco Standard & Poor's (S&P) rebaixou o rating da Tepco, operadora da usina nuclear de Fukushima, citando piora no desempenho do crédito da companhia, após o terremoto e tsunami que atingiram o Japão em março. O rating corporativo de longo prazo foi cortado para B+, de BBB, e o rating corporativo de curto prazo foi cortado para B, de A-2.

Segundo a S&P, a mudança no rating da companhia "reflete nossa avaliação de que há um aumento na probabilidade de os bancos credores optarem por alguma forma de reestruturação dos empréstimos tomados pela Tepco, tendo em vista a piora no desempenho autônomo de seu crédito". Segundo a agência, qualquer perdão nos empréstimos ou reestruturação dos termos da dívida constituem, por seus critérios, uma forma de default e levariam a uma revisão no rating da companhia para SD ou default seletivo.

A S&P cita também as incertezas sobre quanto tempo o governo irá demorar para prestar qualquer apoio extraordinário a Tepco no atual ambiente político. Existe a possibilidade de votação de uma moção de censura contra o primeiro-ministro Naoto Kan dentro de duas semanas. Caso aprovada, o governo seria dissolvido e eleições seriam convocadas.

No início do mês, a empresa de energia divulgou um prejuízo anual de 1,25 trilhão de ienes, o maior já registrado por uma companhia não financeira japonesa, em decorrência dos expressivos custos com o pior acidente nuclear do mundo em 25 anos, desde Chernobyl, causado pelo terremoto e tsunami de 11 de março.

A companhia disse na ocasião que a "significante deterioração" de sua posição financeira "traz dúvidas substanciais sobre a capacidade de a empresa continuar operando", mas que seguiria a orientação do governo para reestruturar-se em troca de assistência. A Tepco terá de pagar indenizações as vítimas do acidente nuclear, que devem variar entre 4 trilhões de ienes a 10 trilhões de ienes, segundo avaliação de analistas. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
S&PTepcorating

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.