Setor automotivo leva bolsas européias a operar em baixa

As ações das montadoras mantêm os principais índices de ações das bolsas européias em baixa, refletindo preocupações com a valorização do euro, com os números divulgados ontem sobre as vendas nos EUA e com uma série de rebaixamentos. Mas o movimento é comprometido pela ausência da referência norte-americana, por causa do feriado nos EUA. Na bolsa londrina, investidores citavam realização de lucros e perdas no setor farmacêutico. Os papéis da GlaxoSmithKline caíram 1,2% e os da AstraZeneca perderam 1,1%, depois de terem a recomendação para suas ações rebaixada de compra para manter pelo ING, que citou o baixo potencial de valorização e preocupações com novos produtos para justificar a correção. Às 9h03 (de Brasília), o índice FT-100, de Londres, caía 0,38%; o índice Xetra-DAX, de Frankfurt, perdia 0,10%; e o CAC-40, de Paris, operava em baixa de 0,36%. O euro opera próximo à taxa máxima em um mês frente ao dólar e estabeleceu novo recorde de alta contra o iene. A valorização da moeda prejudica especialmente as exportadoras, como as do setor automotivo. As ações da DaimlerChrysler caíram mais de 1%, assim como as da Peugeot e da Volkswagen. A Daimler informou ontem queda de 13% em suas vendas em junho, em base anual, nos EUA. A companhia teve a meta de preço de suas ações cortada de 50 euros para 46 euros pelo Morgan Stanley. Os papéis da Fiat caíram 1,7%, depois de a Merrill Lynch rebaixar sua recomendação de neutro para venda. As vendas da montadora italiana caíram 12,6% em junho, mas a empresa manteve sua fatia de 30% no mercado norte-americano. As ações da Renault perderam 2,1% diante das negociações para formação de uma aliança entre a companhia, a Nissan e a General Motors. As ações da companhia fornecedora de peças para automóveis francesa Valeo recuou 2,4%. Os papéis do Banco Bilbao Vizcaya Argentaria subiram 2,2%, com indicações de que o candidato conservador Felipe Calderón Hinojosa, do Partido de Ação Nacional, atualmente no poder, lidera por um ponto percentual as eleições presidenciais ocorridas domingo. Os papéis da siderúrgica alemã ThyssenKrupp subiram 1,2%, com a aprovação por seu conselho da recompra de 5% de suas ações. Já os papéis da companhia espanhola Endesa caíram 0,8%, depois de a Gas Natural reduzir sua oferta de compra pela empresa. As informações são da Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.