Setor de TV por assinatura quer revisão das regras

Se a lei permitisse, a Telefônica não teria se contentado em ficar com uma participação minoritária nas operações de cabo da TVA. O mesmo pode ser dito da Embratel em relação à Net. ?A Telefônica resolveu adquirir a TVA dentro dos limites possíveis, para depois insistir na revisão dos marcos regulatórios?, destacou o diretor executivo da Associação Brasileira de Televisão por Assinatura (ABTA), Alexandre Annenberg.Apesar da briga entre Telmex e Telefônica, ambos os grupos parecem ser favoráveis a mudanças na legislação. A Lei do Cabo, anterior à Lei Geral de Telecomunicações, limita em 49% a participação do capital estrangeiro em empresas do setor. Representantes da Telmex já expressaram o interesse de aumentar sua participação na Net, quando a lei o permitir. Ao mesmo tempo, a posição da Globo em relação ao setor de TV paga é se concentrar na produção de canais, saindo da distribuição.?Defendemos uma discussão ampla, que inclua radiodifusão também?, disse Annenberg. ?O assunto deve estar entre as prioridades do novo governo, para deixar de ser uma pedra no sapato.? No começo do ano, o governo chegou a ensaiar a discussão sobre uma Lei Geral de Comunicação Social, que não foi em frente. O diretor da ABTA elogiou o acordo entre TVA e Telefônica: ?Há muito tempo insistimos no conceito de parceria. Pelas notícias que li, o acordo respeita até a última vírgula da legislação".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.