Setor imobiliário puxa queda na Bolsa da China

A Bolsa da China fechou em baixa devido à queda dos papéis das empresas do setor imobiliário, por conta de preocupações quanto à possibilidade de redução dos valores de terrenos. O índice Xangai Composto e o índice Shenzhen Composto registraram, ambos, baixa de 1,5%. As ações da China Vanke e da Poly Real Estate Group fecharam em queda de 10%. A China Merchants Property Development também teve queda de 10% em seus papéis. A freqüente especulação pode ser um dos motivos para a valorização do yuan em relação ao dólar pelo terceiro dia consecutivo. Mas especialistas do mercado dizem que o crescimento da moeda chinesa esta semana está sendo "excessivo", e esperam a recuperação do dólar em breve. No fim do dia, o dólar estava cotado a 7,7788 yuans no sistema automático de preços, de 7,7900 yuans de terça-feira. A Bolsa de Hong Kong fechou em alta, ajudada pelas expectativas de alta de preços dos imóveis, o que provocou procura por papéis das empresas imobiliárias, embora as companhias de petróleo chinesas tenham sofrido com a queda no preço dos combustíveis. O índice Hang Seng teve alta de 0,2%, fechando a 20.064.57 pontos. Entre os papéis do setor imobiliário, os da Cheung Kong subiram 0,6%, Henderson Land, 0,9%, e Sino Land subiram 1,9%. A queda dos preços dos combustíveis ajudou as companhias aéreas e de navegação: Cathay Pacific subiu 2,5% e Air China ganhou 7,7%, enquanto o operador portuário COSCO Pacific teve alta 1,2%. Em contraste, as petrolíferas caíram. PetroChina caiu 4,4%; CNOOC perdeu 1,5% e Sinopec teve baixa de 3,5%. A Bolsa de Taipé, em Taiwan, também encerrou o pregão em alta, puxada pelas empresas do setor de alimentos, transportes e eletrônica. O índice Taiwan Weighted avançou 0,5%. A Chuan Foods subiu 5%, a China Airlines, 3,2%, a EVA Airways, 4,6% e a Yang Ming Marine Transport, 3,2%. Já o índice Kospi, da Bolsa de Seul, na Coréia do Sul, fechou em queda de 0,8%, pressionado pela venda das ações de empresas de eletro-eletrônicos, que resultou em perdas para a gigante Intel. As ações da Samsung Electronics também caíram, 2%, enquanto a Hynix Semi, 3,2% e a LG.Philips, 2,1%. O índice S&P/ASX 200 da Bolsa de Sydney, na Austrália, fechou em queda de 0,5%. BHP registrou queda de 1.5%; Rio Tinto caiu 1,7% e a Woodside, 1,1%. A maioria dos outros setores foi afetada pelos resultados da PPI norte-americana. A empresa do setor de tecnologia da informação CSR fechou em alta de 5,7. Já a Brambles teve alta de 2,9%. O índice PSE Composto da Bolsa de Manila, nas Filipinas, caiu 0,9%. A queda de 2,1% das ADRs da Philippine Long Distance Telephone (PLDT) estimulou a realização de lucros geral após o ganho de 4,4% nas últimas três sessões. As ações da PLDT fecharam em queda 1,2%. Já os papéis do Banco das Filipinas caíram 2,2%. Na Malásia, o índice composto de 100 blue chips fechou em alta de 0,63%. Em Cingapura, o índice Strait Times fechou em baixa de 0,02%, enquanto na Indonésia o índice JSX Composto da Bolsa de Jacarta encerrou a sessão em queda de 0,24%. As informações são da Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.