Setor siderúrgico brasileiro. O que está no preço?

Boa parte da melhora de avaliação dos papéis do setor siderúrgico brasileiro já está precificada pelo mercado. A relação entre o valor das companhias do setor no mercado mais suas dívidas, em contrapartida ao seu potencial de geração de caixa (Ebitda) no mundo (VF/EBITDA) aumentou de 4,3 vezes no começo do ano para 5,1 vezes hoje. Acreditamos que muitos dos benefícios do processo de consolidação estão incorporados na avaliação das companhias, particularmente no segmento de planos. O que está no preço? A continuidade do processo de fusões e aquisições e a disciplina na produção em países desenvolvidos devem permitir valorização adicional de 30% nos ativos brasileiros, mas altas maiores vão depender dos preços internacionais do aço no segundo semestre. Momento permanece positivo: Notícias positivas para o setor siderúrgico devem continuar nos próximos meses: (i) demanda da China deve mais uma vez superar as expectativas; (ii) preço do mercado brasileiro deve permanecer estável em 2006 e (iii) nos EUA, o preço do laminado a quente deve aumentar US$20/ton este mês e atingir US$630 por tonelada. Produtores brasileiros são alvos: Através de baixos custos de produção e elevado potencial de crescimento nas vendas domésticas, as empresas nacionais tornam-se atrativas para os consolidadores. Muitas destas empresas estão buscando a geração de valor com estratégias de crescimento, o que, a nosso ver, é positivo. Atualização da Demanda Doméstica: Neste relatório focamos o que avaliamos que irá conduzir a demanda doméstica em 2006. Esperamos um aumento nas vendas de 7% em aços planos e 10% em aços longos. Nós acreditamos que é particularmente importante o foco na recuperação do segmento de aços longos no Brasil: esperamos aumento de volume de aços longos de 7% no primeiro trimestre de 2006, 5% no segundo trimestre de 2006 e de 10% no terceiro trimestre de 2006. Gerdau é nosso Top Pick no Segmento de Longos: A Gerdau deve demonstrar bons resultados em 2006 através da recuperação da demanda interna e desempenho defasado em relação a outras empresas do setor: 33% para Gerdau PN versus 44% da Usiminas PNB e de 43% da Companhia Siderúrgica Nacional ON. Usiminas é nosso Top Pick no Segmento de Planos: Acreditamos que Usiminas continuará no processo de Re-Rating devido (i) à melhora da percepção de risco, (ii) ao menor custo de capital, (iii) ao anúncio de detalhes sobre planos de expansão e (iv) à possível listagem de ADR nível II de suas ações ON. Atualização do preço-alvo da Usiminas, Gerdau e CSN: Definimos novo preço-alvo para Usiminas PNA (com recomendação de compra e potencial de o preço alcançar R$ 102), Gerdau PN (compra; R$ 68), Companhia Siderúrgica Nacional (compra; R$ 85).

Agencia Estado,

17 Abril 2006 | 17h11

Mais conteúdo sobre:
palavra do gestor

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.