Severstal descarta acordo conjunto com Mittal e Arcelor

O chairman da Severstal, Alexei Mordashov, descartou um acordo conjunto com as concorrentes Mittal Steel e Arcelor ao se apresentar em um comitê parlamentar francês, de acordo com duas fontes que participaram do encontro. "O executivo nos disse claramente que isso não é uma opção porque não teria lógica", afirmou Patrick Ollier, chefe do comitê econômico da Assembléia Nacional francesa. Ollier revelou que Mordashov tem intenção de elevar a proposta de fusão com a Arcelor antes do encontro geral de acionistas marcado para sexta-feira. O parlamentar francês observou, no entanto, que o chairman não sabe ao certo se seria possível construir um novo acordo até lá. "Ele considera que precisa superar algumas dificuldades financeiras para fazer isso". O conselho da Arcelor recomendou aos acionistas a oferta de 25,4 bilhões de euros (US$ 31,92 bilhões) da Mittal no domingo, encerrando uma amarga disputa de cinco meses e afastando a parceira russa Severstal, siderúrgica com a qual a empresa negociava acordo de fusão. A russa reagiu com fúria à confirmação do acordo Arcelor-Mittal, dizendo que a Arcelor não havia nem sequer informado aos russos que sua proposta de fusão tinha sido rejeitada. No domingo, o grupo russo afirmou que estava revisando suas opções. A Severstal ainda pode causar problemas para a Arcelor-Mittal porque a empresa com sede em Luxemburgo fez do acordo com os russos parte de sua estratégia de defesa contra as investidas da Mittal - o que significa que o conselho da Arcelor não pode simplesmente desfazer o negócio com a Severstal. Para isso, a russa deve desistir do negócio, recebendo 140 milhões de euros por quebra de contrato, ou mais de 50% dos acionistas da Arcelor precisam votar contra o negócio na Assembléia Extraordinária. Um segundo parlamentar, Leonce Deprez, disse que Mordashov declarou que se não conseguir formar a aliança com a Arcelor vai considerar outras aquisições na Europa. A agência de notícias russa ITAR-TASS anunciou, citando fontes de mercado não identificadas, que a Severstal poderia propor parceira com a britânica Corus Group PLC.Deprez disse que em encontro separado, Lakshmi Mittal, chairman da Mittal Steel, esboçou outros detalhes do plano de fusão com a Arcelor. "O senhor Mittal foi muito convincente", acrescentou. A Mittal tem se mostrado confiante de que os acionistas vão votar contra a fusão Arcelor-Severstal na sexta-feira. A companhia publicou nesta manhã outro anúncio em grandes jornais, incentivando os acionistas a fazerem isso. A Mittal tem o apoio de alguns dos maiores acionistas da Arcelor. O grupo Carlo Tassaro International, holding controlada pelo financista francês Romain Zaleski e maior acionista da siderúrgica (com participação de 7,8%), afirmou que votará contra a parceria com a Severstal. A mesma posição foi assumida pelo espanhol José Maria Aristrain, segundo maior acionista individual da Arcelor. Se os acionistas não votarem contra o plano, a Arcelor então será legalmente obrigada a honrar os termos do acordo de fusão com a Severstal. As informações são da agência Dow Jones.

Agencia Estado,

28 de junho de 2006 | 14h44

Tudo o que sabemos sobre:
empresas

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.