Shoppings e lojas investem na antecipação das vendas de fim de ano

O clima de Natal começa aos poucos a envolver o comércio. Na disputa pelo bolso do consumidor, shoppings, lojas e redes de supermercado têm apostado na antecipação das vendas de fim de ano.O shopping Central Plaza exibe desde ontem sua praça de eventos e fachada decorados para o Natal. O Interlagos, o Raposo e o Osasco Plaza entram no mesmo clima entre sexta e segunda-feira. Outros shoppings dão seqüência a inaugurações de Natal a partir dos primeiros dias de novembro. Este ano, a maioria investe entre R$ 1,5 milhão e R$ 2,5 milhões em decorações e campanhas e tem expectativas variadas de expansão das vendas.Além dos shoppings, lojas como a Americanas, redes de supermercados e o comércio especializado em enfeites, caso da Natalie, já estão prontos para o movimento de fim de ano. No Wal-Mart, as lojas amanhecerão decoradas na segunda-feira,dia 30."Sair na frente e atrair o consumidor para as compras de impulso ou para no mínimo começar a pensar na lista de presentes, num cenário de vendas mornas, é estratégico", diz o assessor econômico da Federação do Comércio do Estado de S.Paulo (Fecomercio), Altamiro Carvalho. Ele lembra que a concorrência é cada vez maior e que aqueles que saem na frente roubam vendas de quem espera uma maior proximidade do Natal.Os supermercados já oferecem a primeira fornada de panetones desde o mês passado. Em 2005, a Bauducco vendeu os primeiros panetones para a rede Pão de Açúcar no fim de setembro. Este ano, iniciou a distribuição no dia 23. A expectativa da Bauducco é de crescimento no varejo de 8% em relação a 2005. A Arcor está com panetones no varejo desde meados de setembro, numa antecipação de 40 dias na data de vendas em relação a 2005."Houve uma antecipação muito grande de empréstimos relativos ao 13º salário, por parte dos bancos, e é difícil avaliar agora o impacto que isso terá em dezembro", diz Carvalho. Ele prevê um Natal muito parecido com o do ano passado.O economista Emílio Alfieri, da Associação Comercial de São Paulo (ACSP), tem a mesma linha de raciocínio. "O Natal já começou, o comércio está investindo no marketing do 'não espere, compre agora' numa grande disputa porque as vendas estão fracas. Dezembro ainda é uma incógnita."

Agencia Estado,

25 de outubro de 2006 | 08h00

Tudo o que sabemos sobre:
empresas

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.