Sinduscon-SP prevê crescimento zero para indústria da construção em 2015

Para entidade, desempenho do setor deverá ser igual ou pior do que o já registrado, com perspectiva de melhora apenas a partir do segundo semestre de 2015

Luciana Collet, O Estado de S. Paulo

24 de novembro de 2014 | 12h12

SÃO PAULO - O desempenho da indústria da construção deve se manter estável em 2015 na comparação com 2014, segundo estimativa do Sindicato da Indústria da Construção do Estado de São Paulo (Sinduscon-SP).

A entidade projeta crescimento zero no valor agregado das construtoras em 2015, ante 2014, com queda de 2% do emprego na indústria, na mesma comparação. Além disso, a produção de insumos do setor deve recuar 1,5%, com queda também no comércio dos materiais.

"O mercado imobiliário deverá prosseguir em fase de ajuste, a renda e o consumo das famílias deverão crescer menos e as contratações de obras relacionadas a novos investimentos deverão ocorrer com mais intensidade somente a partir do segundo semestre", disse a entidade em nota.

Com isso, o resultado do setor no ano que vem deverá ser igual ou pior que o registrado em 2014, para o qual a expectativa do Sinduscon-SP é de crescimento na faixa de 0% a 0,5% por cento, ante estimativa anterior de avanço de até 1%.

De acordo com a entidade, os fatores positivos para o setor na política econômica em 2015 devem ser contrabalanceados por outros fatores negativos. 

Por um lado, o setor espera que o governo busque a recuperação da confiança dos investidores, o controle da inflação, o impulso às obras de infraestrutura e a contratação de mais 350 mil unidades do Programa Minha Casa, Minha Vida no primeiro semestre. 

Por outro lado, a expectativa é de que o mercado imobiliário seguirá em fase de ajuste, e que a renda e o consumo das famílias cresçam menos, e as contratações de obras relacionadas a novos investimentos ocorram com mais intensidade somente a partir do segundo semestre.

Tudo o que sabemos sobre:
Construção civilindústria

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.