Sky pode ir à Justiça contra Telefônica

A Sky pode ir à Justiça contra os planos da Telefônica de oferecer televisão por assinatura via satélite. "Eles estão tentando dar uma volta na lei", afirmou ontem o presidente da Sky, Luiz Eduardo Baptista. "Sempre existem brechas na lei. Sorte que também existe a Justiça para a gente brigar." A Telefônica havia pedido uma licença de TV paga via satélite (DTH, na sigla em inglês) à Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel).Antes de sair a licença, porém, a companhia anunciou um acordo com a DTHi, que já possui autorização para operar o serviço. A Associação Brasileira de TV por Assinatura (ABTA) solicitou que a agência barre a prestação do serviço pela Telefônica, pedindo que seja aplicado ao DTH uma proibição constante na Lei do Cabo e nos contratos de concessão. "O que vale é o espírito da Lei do Cabo", disse Baptista. "Não pode ser a casa da mãe Joana. Se alguém não estiver satisfeito com a lei, tem que mudar a lei."Segundo fonte ligada à Telefônica, a proibição da parceria com a DTHi não teria sustentação legal. A opinião da operadora é que as empresas de TV paga estão querendo segurar a competição.O presidente da Sky anunciou os planos da empresa após a fusão com a DirecTV. Com 1,4 milhão de assinantes hoje, a companhia quer chegar a 2 milhões até o fim de 2008. Novos pacotes divulgados ontem têm oito canais. A Sky faz 10 anos no Brasil. "Nossa idéia era comemorar os 10 anos com 10 novos canais", explicou Baptista. "Os dois que estão faltando são da Bandeirantes."A empresa distribui os canais BandNews e BandSports para quem era assinante da DirecTV, mas eles não foram incluídos nos novos pacotes. "Fizemos uma proposta para eles em novembro de 2005", afirmou Baptista. "Eles rasgaram e apostaram que o Cade iria impor condições melhores. Daí o Cade impôs menos e fizemos uma proposta de acordo com o Cade. Até ontem não haviam respondido."Para a Bandeirantes, porém, nem havia o que negociar com a Sky. A assessoria da empresa informou que a negociação é feita com a programadora Net.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.