JF DIORIO/ESTADÃO
JF DIORIO/ESTADÃO

Sobrevivência da companhia é o mais importante, diz Santander sobre Odebrecht

Presidente do Santander Brasil, Sergio Rial afirmou que longo prazo é mais importante para o banco; empreiteira negocia com bancos para conseguir que abram mão da preferência nas ações da Braskem

Aline Bronzati, O Estado de S.Paulo

25 Abril 2018 | 15h04

O presidente do Santander Brasil, Sergio Rial, afirmou que a sobrevivência de uma companhia no longo prazo é o fator mais importante para o banco, ao ser questionado sobre a situação da Odebrecht S.A. que busca crédito novo para cumprir seus compromissos financeiros.

+ Infográfico: A maior delação da Lava Jato

"A coisa mais importante para o banco é a sobrevivência  de longo prazo da empresa com a qual a gente trabalha. Se você acredita que a empresa tem condições de sobreviver no seu modelo de negócios, com o seu balanço isso é o mais importante. O resto é técnica bancária e negociação", disse ele, em coletiva de imprensa, realizada há pouco.

De acordo com Rial, o primeiro princípio para uma instituição financeira "é jamais colocar qualquer que seja a posição do banco, seja subordinação ou não, à frente da importância da sobrevivência da empresa". "É para isso que a gente existe. Nós não temos outra razão", disse ele.

As afirmações do presidente do Santander ocorrem em meio às negociações da Odebrecht com bancos para conseguir que além do espanhol, o Banco do Brasil e também o Banco de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) abram mão da preferência nas ações da Braskem, dadas em garantia em outro empréstimo, para obter um crédito novo.

+ Odebrecht quer alguns dias para pagamento de dívida

O grupo já teria conseguido o aval de Itaú Unibanco e Bradesco para uma nova linha de R$ 2,2 bilhões, segundo antecipou o Broadcast, mas esses bancos teriam exigido senioridade nos papéis para liberação dos recursos.

A Odebrecht tem encontrado resistência, principalmente, por parte dos bancos públicos que temem abrir mão da preferência nas ações da Braskem e serem futuramente questionados pelo Tribunal de Contas da União (TCU).

A despeito disso, segundo fontes, as negociações avançaram nos últimos dias. OS recursos são essenciais para que o braço de engenharia e construção do grupo, a OEC, honra meio bilhão de reais em dívidas junto a credores externos e que vencem hoje.

O presidente do Santander Brasil afirmou ainda que, obviamente, há, depois de priorizada a sobrevivência da empresa, outras questões que é como você - neste caso, o banco - está em relação aos outros credores. "Mas essa é uma discussão de banco. A postura é sempre fazer com que a empresa sobreviva", concluiu ele.

Mais conteúdo sobre:
Braskem Santander Odebrecht

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.