Socopa indica compra de ações da Comgás

A Socopa reiniciou a cobertura da Comgás com recomendação de compra e preço-alvo (para 12 meses) de R$ 411,42, representando um potencial de valorização de 35%. Segundo relatório divulgado pela corretora, a empresa tem vantagem comparativa em relação às suas concorrentes em razão de a área onde atua por meio de concessão ter a maior concentração demográfica no País, o que lhe permite atingir um número maior de clientes com menor necessidade de investimentos. Nas estimativas da Socopa, a Comgás deve ter um crescimento anual do Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortizações) de 13,39% no período de 2005 a 2010 e da receita líquida de 13,9%. "Acreditamos que exista possibilidade de forte crescimento dos segmentos de termogeração e cogeração a partir de 2008", diz o relatório. Também é ressaltado o fato de os ativos da companhia serem negociados a múltiplos inferiores aos de suas concorrentes internacionais. Nos cálculos da Socopa, o valor da empresa sobre o Ebitda é de 5,43 vezes, enquanto da Gas Natural é de 6,38 vezes e a British Gas de 8,91 vezes. "Acreditamos que a Comgás seja uma opção para investidores com interesse em empresas com política de pagamento elevado de dividendos. Com a forte geração de caixa esperada e a redução dos investimentos programados, projetamos pagamento de dividendos de 60% para os próximos anos", afirma o relatório. Como fator de risco, a Socopa lembra que 75% do gás utilizado pela distribuidora vem da Bolívia e, desde a nacionalização dos hidrocarbonetos naquele país, existem incertezas quanto ao fornecimento. Mas a corretora afirma não acreditar na interrupção do abastecimento, porque a Bolívia é muito dependente da venda do gás para o Brasil. Na sua avaliação, a pior hipótese, com pouca probabilidade, seria o aumento abusivo dos preços do gás natural, tornando o combustível menos competitivo.

Agencia Estado,

12 de setembro de 2006 | 07h00

Tudo o que sabemos sobre:
ações

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.