Soluções ágeis e foco no cliente tornam mais eficientes as operações das empresas
Conteúdo Patrocinado

Soluções ágeis e foco no cliente tornam mais eficientes as operações das empresas

Investimento em produtos e serviços, digitalização de processos e parceria com clientes e concessionários são diferenciais do Banco Mercedes-Benz, que flexibilizou o parcelamento durante a pandemia

Banco Mercedes-Benz, Media Lab Estadão
Conteúdo de responsabilidade do anunciante

01 de dezembro de 2020 | 10h14

A economia brasileira passa por um momento de transformação, com muitas empresas aderindo à digitalização para tornar suas operações mais eficientes, especialmente diante da pandemia da covid-19. Aliado a isso, os clientes têm buscado por marcas parceiras que, além de disponibilizar produtos e serviços, ofereçam suporte em momentos desafiadores como o atual, com o impacto do coronavírus.

Nesse momento, algumas empresas se destacam e saem na frente, como é o caso do Banco Mercedes-Benz. “Estamos ao lado dos clientes e concessionários em todos os momentos, nos bons e nos ruins, fazendo a roda girar”, diz Cristina Rensi, gerente de Marketing e Produtos do Banco Mercedes-Benz. Nesse sentido, a instituição está lançando sua nova campanha de posicionamento de marca com o mote ‘Fazendo a Roda Girar’, como forma de reforçar ainda mais a parceria de longo prazo com os seus clientes.

“Fazer a roda girar é estar ao lado do cliente no momento em que ele precisa, com agilidade, taxas competitivas e toda a credibilidade do Banco Mercedes-Benz. Oferecemos um portfólio completo de soluções para que o cliente compre o veículo desejado com as melhores condições e, assim, possa seguir construindo seu negócio e realizando seus sonhos”, destaca a executiva. “Além disso, estamos investindo em melhorias de nossas plataformas digitais a fim de acompanhar as novas tendências e necessidades de nossos clientes, parceiros e concessionários, para tornar a comunicação e a contratação de produtos e serviços ainda mais rápidas e eficientes”, diz.

Durante a pandemia, o banco realizou milhares de renegociações de contratos, prorrogando parcelas e confirmando que rapidez e flexibilidade estão no DNA da instituição financeira.

Outro ponto importante a ser destacado é a expertise do banco tanto no financiamento quanto nos seguros de veículos. São 48 mil contratos ativos e mais de 109 mil unidades financiadas até outubro de 2020. Em 2019, o banco ultrapassou R$ 12,5 bilhões em carteira, o melhor desempenho de sua história. As taxas de juros mais atrativas também contribuíram para que a instituição mantivesse o primeiro lugar no financiamento de todos os segmentos de atuação, incluindo veículos de passeio, linha Sprinter, caminhões e ônibus da Mercedes-Benz.

O bom desempenho do banco também está ancorado na variedade de produtos oferecidos. Além de contar com as tradicionais opções de crédito, como CDC, Finame e leasing, o Banco Mercedes-Benz tem apresentado novidades.

“Somos pioneiros em diversos produtos, sempre com o objetivo de trazer novas soluções para atender às necessidades do nosso cliente”, diz a executiva.

O CDC Flexibility para veículos comerciais é uma delas. Trata-se de um plano de financiamento para caminhões e linha Sprinter, com prazo de 24 a 60 meses, que conta com uma entrada mínima e parcelas fixas reduzidas ao longo do contrato, que podem ser até 54% menores do que no CDC convencional, e uma parcela final correspondente ao valor de recompra do bem.

Ao final do contrato, o cliente tem a flexibilidade de optar por quitar a parcela final e ficar com o veículo, ou revendê-lo à concessionária, que irá recomprar pelo valor da parcela final, desde que o caminhão esteja de acordo com as premissas do Guia de Condições de Revenda.

Outro plano exclusivo do Banco Mercedes-Benz é o CDC Decrescente, que segue a mesma lógica do sistema de amortização constante do Finame, com parcelas decrescentes ao longo do contrato. Nesta modalidade, as parcelas vão ficando menores a cada mês, e o cliente paga menos juros no valor total do contrato na comparação com o CDC convencional.

Na linha de ônibus urbanos, a instituição financeira é o único banco de montadora a oferecer o Refrota, programa operado com recursos do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS). A linha específica de financiamento no âmbito do Programa de Infraestrutura de Transporte e da Mobilidade Urbana (Pró-Transporte) é destinada a empresas privadas operadoras de serviço de transporte público coletivo urbano de passageiros por ônibus.

Seguros

O banco tem ainda uma variedade de opções de seguros. Tem o tradicional seguro de automóveis, que, além das coberturas padrão, tem uma contratação simplificada; a possibilidade de oferecer o veículo reserva da marca Mercedes-Benz; contratação plurianual; financiamento do seguro pelo Banco Mercedes-Benz; garantia de reposição de veículo 0 km por até 12 meses, conforme cláusula contratada na apólice; e dispensa de vistoria para veículos com até 5 anos de uso, adquiridos na concessionária.

É possível ainda contratar um seguro de proteção extra. Além da quitação da dívida no caso de morte ou invalidez, o produto prevê que os beneficiários ou o próprio segurado recebam o saldo remanescente, e a possibilidade de contratação para financiamento realizado por pessoa jurídica por meio do sócio majoritário. Em caso de morte, o saldo remanescente volta para os beneficiários.

A instituição ainda tem a opção de um seguro garantia estendida adicional. A modalidade oferece opções de cobertura básica (motor e câmbio, por exemplo) e cobertura ampla, que inclui a cobertura básica mais sistema de alimentação e injeção, sistema elétrico do motor e câmbio, sistema de ar-condicionado e de freios, entre outros.

“Toda a nossa variedade de produtos e serviços, a digitalização de nossos processos, a agilidade das operações e a flexibilidade de entender as diferentes necessidades dos clientes têm como objetivo principal estar ao lado do cliente e dos concessionários em todos os momentos, ouvindo e atendendo aos seus anseios, para juntos fazermos a roda girar”, finaliza Cristina Rensi.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.