SulAmérica estuda lançar ações no Novo Mercado da Bovespa

A SulAmérica estuda a possibilidade de lançar ações no Novo Mercado da Bovespa. O presidente da companhia, Patrick Larragoiti Lucas, disse que se trata de um caminho natural para financiar o crescimento dos negócios. Os planos, porém, são de longo prazo. Até agora, nenhuma medida concreta foi tomada com esse objetivo. O capital da SulAmérica é hoje dividido entre dois grupos. O holandês ING tem 49% da empresa, sendo que o controle é de acionistas brasileiros (51%). O executivo disse que ainda não há decisão sobre que tipo de oferta realizar, se primária, secundária ou ambas. Ele também não descartou a possibilidade de a empresa passar a ter o controle difuso. Uma das subsidiárias da SulAmérica - a da área de seguros - já tem registro na Comissão de Valores Mobiliários (CVM), mas a possível operação de ingresso na Bolsa poderá envolver outras empresas ou até todo o grupo. O presidente da companhia diz acompanhar com atenção o movimento de abertura de capital de empresas dos diversos setores da economia. Para ele, as empresas preparam-se para o crescimento econômico. Lucas acredita que a evolução do Produto Interno Bruto (PIB) e a redução da taxa básica de juros (Selic) devem contribuir para o desenvolvimento dos mercados de seguro e previdência. Para o executivo, os negócios da SulAmérica que devem apresentar maior expansão nos próximos anos são os de previdência privada, gestão de ativos e seguros massificados, como de automóveis. De acordo com o presidente, a queda dos juros tem impacto negativo sobre o resultado financeiro das seguradoras, que aplicam as reservas de recursos. Entretanto, esse efeito será compensado pelo aumento dos negócios, impulsionado pela evolução econômica, e pelo controle dos custos. Também caberá às seguradoras buscar opções de investimentos mais rentáveis do que as tradicionais para manter a rentabilidade.

Agencia Estado,

10 de agosto de 2006 | 14h10

Tudo o que sabemos sobre:
finanças

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.