Tecnologia GSM ganha 14 pontos de mercado em 12 meses

A tecnologia CDMA perdeu 2,6 pontos porcentuais de participação no mercado de telefonia móvel brasileira nos últimos 12 meses, encerrando julho com 26,3% do total dos 93,046 milhões de telefones em operação. Já o padrão GSM ganhou 14,4 pontos, ao terminar o mês passado com 59,3% de market share. A rápida evolução da tecnologia européia também encontra justificativa na migração acelerada dos antigos assinantes de TDMA, uma vez que neste mesmo intervalo a fatia deste padrão caiu de 25,9% para 14,2%.A Vivo, única a utilizar o CDMA, perdeu quase 7 pontos de market share de julho de 2005 até o mês passado, saindo de 37,3% para 30,8%. Somente neste ano, a redução foi de quase 4 pontos, impactada também pela recente limpeza na base de assinantes da empresa. A TIM, por sua vez, consolidou-se na segunda posição, pois sua participação subiu de 22,4% para 24,6%, enquanto a da Claro passou de 21,5% para 22,9%. Os dados da Anatel apontam, porém, que uma eventual compra da Telemig e da Amazônia Celular pelo grupo mexicano ainda daria a vice-liderança à Claro, uma vez que essas empresas possuem 5% do mercado celular do País. A Oi também mostrou evolução veloz na sua base de clientes, ampliando de 10,7% para 13,2% sua fatia de mercado.A Região Nordeste mantém a dianteira no crescimento da penetração da telefonia celular. Em 12 meses, a teledensidade dos estados nordestinos subiu quase 10 pontos porcentuais, de 25,9% para 35,6%, enquanto que a expansão média nacional foi de aproximadamente 8 pontos - de 41,6% para 49,8%. Na Região Norte, a penetração subiu de 30,5% para 35,9% nesta mesma base comparativa. No Sudeste, o ganho foi de 47,0% para 56,0%. O desempenho da região foi estimulado por Minas Gerais, que ganhou mais um competidor em dezembro. A penetração do estado mineiro avançou de 38,8% para 51,6% no mesmo intervalo em questão. No Sul do Brasil, esta taxa aumentou de 52,1% para 58,5% e no Centro-Oeste, de 61,3% para 66,5%. Todos os dados estão disponíveis no site da Anatel.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.