Temor com PIB dos EUA pesa nas Bolsas de Nova York

As ações estão em queda em Nova York, seguindo o recuo dos papéis de tecnologia, que devolvem ganhos da semana passada, e a expectativa de uma forte revisão em baixa do crescimento do PIB nos EUA, no dado que sai na quarta-feira. Às 16h30 (de Brasília), o índice Dow Jones caía 0,17%, o Nasdaq estava em baixa de 0,61% e o S&P-500 perdia 0,19%. As ações das companhias de carvão caem, reagindo ao anúncio de que os grupos de private equity que acertaram a compra da TXU, maior produtora de energia do Texas, planejam cortar de 11 para três o número de novas usinas de energia a carvão no Texas por causa das pressões ambientais. Por volta das 16h30 (de Brasília), Arch Coal caía 2,9%, Peabody Energy recuava 4,6%, Consol Energy perdia 1,1% e Massey estava em baixa de 2,9%. Na maior operação de compra alavancada fechada até o momento nos EUA, os grupos de private equity liderados pelo Kohlberg Kravis Roberts, Texas Pacific e Goldman Sachs anunciaram que pagarão quase US$ 32 bilhões, além de assumir uma dívida de US$ 13 bilhões, para ficar com os negócios da TXU. As ações da TXU subiam 14%. Entre os componentes do Dow Jones, destacavam-se na queda American Express (-1,4%), após seu diretor financeiro partir para o Citigroup; Home Depot (-1,4%) e IBM (-1,2%). Dow Chemical subia 5,8% depois que em jornal britânico afirmou que a empresa poderá ser alvo da maior compra alavancada nas próximas semanas. O estrategista chefe de mercado de bônus da Miller Tabak, Tony Crescenzi, disse que uma grande revisão em baixa é esperada para o dado do quarto trimestre do PIB norte-americano. "Por isso, o mercado se inclina para a idéia de crescimento menor". O ex-presidente do Federal Reserve (Fed, banco central dos EUA) Alan Greenspan disse hoje ser "possível" que os EUA entrem em recessão ainda em 2007. O petróleo retomou a alta, depois de ceder momentaneamente. Às 16h30 (de Brasília), o WTI para abril subia 0,61% para US$ 61,51 na Bolsa Mercantil de Nova York eletrônica. As informações são da agência Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.