Tempestade se afasta do Golfo e petróleo fecha em baixa

Os contratos futuros de petróleo voltaram a cair na Bolsa Mercantil de Nova York (Nymex) e na Bolsa Intercontinental (ICE, de Londres). Na Nymex, os contratos para outubro fecharam abaixo dos US$ 70 por barril; o nível de fechamento é o mais baixo para o próximo contrato desde 20 de junho. Segundo operadores, a queda foi influenciada pelo fato de a tempestade tropical Ernesto ter continuado, hoje, a mover-se para longe da região de plataformas de petróleo no Golfo do México. O fraco índice de confiança do consumidor divulgado nos EUA também reduziu as preocupações quanto à demanda. "As principais razões para a queda são o fato de não termos nenhuma tempestade entrando no Golfo e o fato de a economia estar, provavelmente, sofrendo uma desaceleração", comentou o analista Bill O'Grady, da AG Edwards. Para Peter Beutel, da Cameron Hanover, "há um grande alívio pelo fato de Ernesto não estar se dirigindo ao Golfo do México no aniversário do furacão Katrina". Ele também citou a redução das preocupações relacionadas ao programa nuclear iraniano. Ontem, a França se disse aberta ao diálogo com o Irã, posição que já havia sido manifestada por outros dois integrantes do Conselho de Segurança da ONU, Rússia e China, para quem negociações são preferíveis à imposição de sanções. "Os EUA parecem estar isolados nessa questão", comentou Beutel. Na Nymex, os contratos de petróleo bruto para outubro fecharam a US$ 69,71 por barril, em queda de US$ 0,90. A mínima foi em US$ 69,30 e a máxima em US$ 70,90. Na ICE, os contratos do petróleo Brent para outubro fecharam a US$ 69,86 por barril, em queda de US$ 0,96, com mínima em US$ 69,48 e máxima em 71,25. As informações são da Dow Jones.

Agencia Estado,

29 de agosto de 2006 | 16h54

Tudo o que sabemos sobre:
finanças

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.