Tensão entre Coreias derruba bolsas asiáticas

Tóquio recuou 0,85%, sua maior baixa do mês; Xangai perdeu 1,4%

Hélio Barboza e Ricardo Criez, da Agência Estado,

20 de dezembro de 2010 | 08h36

Os principais mercados da Ásia iniciaram a semana em baixa. A tensão política na península coreana e as preocupações sobre o aumento das taxas de juros na China prejudicaram os pregões nesta segunda-feira.

Este foi o caso da Bolsa de Hong Kong, que fechou em ligeira queda. O índice Hang Seng caiu 75,77 pontos, ou 0,3%, e terminou aos 22.639,08 pontos.

A Bolsa de Tóquio fechou com sua maior baixa do mês, pressionada triplamente pelo enfraquecimento do euro, pela forte queda das bolsas chinesas e pela escalada das tensões na península coreana. O índice Nikkei 225 cedeu 87,42 pontos, ou 0,85%, e fechou aos 10.216,41 pontos, sua maior baixa porcentual desde 30 de novembro.

Já a Bolsa de Xangai, na China, apresentou queda pela quarta sessão seguida, por conta de declínio nos setores imobiliário e bancário, em virtude das preocupações de que Pequim irá adotar mais medidas de aperto monetário no curto prazo. O índice Xangai Composto perdeu 1,4% e terminou aos 2.852,92 pontos. O índice Shenzhen Composto caiu 1,3% e encerrou aos 1.331,75 pontos.

O yuan teve desvalorização significativa em relação ao dólar, devido à alta na taxa de paridade central dólar-yuan (de 6,6593 yuans para 6,6623 yuans) e à demanda pela segura moeda norte-americana por conta das tensões na península coreana. No mercado de balcão, o dólar fechou cotado em 6,6745 yuans, bem acima do fechamento de sexta-feira, que foi de 6,6555 yuans.

Em Taipé, a Bolsa de Taiwan fechou em queda por causa da realização de lucros em empresas tecnológicas peso pesado. O índice Taiwan Weighted caiu 0,6% e encerrou aos 8.768,72 pontos.

Na Coreia do Sul, o temor de uma possível retaliação da Coreia do Norte aos exercícios militares realizados pelo país nesta segunda-feira levou a Bolsa de Seul a fechar em queda. Mas o índice Kospi reduziu suas perdas após a CNN informar que os norte-coreanos concordaram em permitir o retorno ao país dos inspetores da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA), como parte de um conjunto de medidas para reduzir as tensões na península. O índice Kospi fechou com recuo de 0,3%, terminando aos 2.020,28 pontos.

Na Austrália, a Bolsa de Sydney teve a sua maior queda das últimas duas semanas. O temor de uma alta dos juros na China e a escalada das tensões entre as Coreias levaram o índice S&P/ASX 200 a uma perda de 0,6%, fechando aos 4.736,6 pontos.

Nas Filipinas, o índice PSE da Bolsa de Manila foi puxada pela procura de pechinchas para uma alta de 0,5%, terminando aos 4.077,06 pontos.

A Bolsa de Cingapura teve baixa depois que a Coreia do Sul conduziu exercícios militares em represália a ameaças de ataques da Coreia do Norte. O índice Straits Times perdeu 0,6% e fechou aos 3.132,96 pontos.

O índice composto da Bolsa de Jacarta, na Indonésia, recuou 0,4% e fechou aos 3.568,81 pontos, devido às crescentes preocupações de que o plano do governo para limitar o subsídio aos combustíveis no ano que vem vá elevar as pressões inflacionárias, disseram traders. Também pesaram as quedas nos demais mercados asiáticos e a intensificação das tensões na península coreana. Procuras por pechinchas evitaram queda maior do índice.

O índice SET da Bolsa de Bangcoc, na Tailândia, desvalorizou 1,6% e fechou aos 1.006,51 pontos, menor nível em três semanas.

O índice composto de cem blue chips da Bolsa de Kuala Lumpur, na Malásia, cedeu 0,3% e fechou aos 1.495,88 pontos, uma vez que os investidores tornaram a ter aversão ao risco em meio a renovadas tensões na península coreana. As informações são da Dow Jones

Tudo o que sabemos sobre:
bolsasÁsia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.