Tensão geopolítica leva bolsas européias para o negativo

Depois de um início de pregão com desempenho misto, as principais bolsas européias moveram-se para o território negativo hoje, dando continuidade às perdas da semana passada. A rápida escalada da violência no Oriente Médio e os preços recordes do petróleo pesam sobre o sentimento do investidor. Operadores dizem que é possível que a commodity ultrapasse nos próximos dias a marca dos US$ 80 o barril, já que a situação geopolítica deteriorou-se durante o final de semana. As ações da Philips subiam 1,9% depois de a fabricante de produtos eletrônicos ter anunciado um aumento de 10% de sua receita no segundo trimestre, para 7,6 bilhões de euros, embora o lucro tenha caído 69% em comparação com igual período do ano passado, para 301 milhões de euros. O grupo também anunciou um programa de recompra de ações de 1,5 bilhão de euros. Outros papéis do setor também subiam. As ações da Novartis recuavam 0,4%. A farmacêutica suíça informou que seu lucro líquido aumentou 4% no primeiro trimestre, para US$ 1,71 bilhão, abaixo das previsões, por causa de encargos com reestruturação de US$ 209 milhões. As ações da varejista francesa Casino subiam 1,5%. O grupo concordou em vender seus ativos na Polônia por meio de uma série de acordos envolvendo a Metro, Tesco e a General Electric, por um total de 884 milhões de euros. As ações da EADS, controladora da Airbus, ganhavam 0,7%, com o lançamento de uma nova versão do modelo A350, em um esforço para recuperar-se de sua maior crise em uma década. Os preços em alta do petróleo ajudam grandes empresas do setor, como BP (+0,55%) e Royal Dutch Shell. Papéis de instituições financeiras, ao contrário, recuam (UBS -1,04%, ING -1,54%). Por volta das 8h30 (de Brasília), o índice FT-100, da Bolsa de Londres, recuava 0,31%. O índice CAC-40, de Paris, cedia 0,74% e o DAX, de Frankfurt, perdia 0,55%. As informações são de agências internacionais.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.