Tensão na Líbia ajuda petróleo a subir 2,32%

Às 14h37, o petróleo tipo Brent para maio negociado na plataforma ICE subia para US$ 105,26 o barril

Gustavo Nicoletta, da Agência Estado,

21 de fevereiro de 2011 | 08h33

Os preços dos contratos futuros do petróleo operam em alta, impulsionados pelos confrontos entre manifestantes e forças de segurança na Líbia, que trouxeram à tona a preocupação com potenciais interrupções no fornecimento de petróleo produzido na região.

Às 14h37 (de Brasília), o contrato do petróleo tipo Brent para maio negociado na plataforma ICE subia 2,32%, para US$ 105,26 por barril, o maior nível em pelo menos dois anos. Na New York Mercantile Exchange (Nymex), o contrato do petróleo para maio subia 4,59%, para US$ 96,55 por barril.

As manifestações contra o governo na Líbia se espalharam pelas principais cidades do país, entre elas a capital, Tripoli. A violência crescente dos confrontos entre as pessoas que participam dos protestos e as forças de segurança locais levaram várias companhias petrolíferas, entre elas a BP, a retirarem seus funcionários da região. Segundo a Agência Internacional de Energia (AIE), a suspensão das atividades dessas empresas implica um corte de aproximadamente 50 mil barris de petróleo por dia na produção.

A AIE está em "alerta elevado" para potenciais interrupções no fornecimento de petróleo, segundo David Fyfe, diretor da divisão de Mercados e Indústria Petrolífera do órgão.

A Líbia exporta aproximadamente 1,4 milhão de barris de petróleo por dia, o que torna o país o maior produtor a enfrentar uma tensão política significativa desde o início do ano. Protestos contra os governos da Tunísia e do Egito, que culminaram na queda dos chefes de Estado desses países, não tiveram grande impacto sobre a oferta da commodity.

O preço do petróleo tipo Brent, que serve de referência para a commodity na Europa, estava operando dentro de uma margem estreita desde que a situação no Egito começou a se acalmar, na semana passada, mas a Líbia trouxe um novo fator de incerteza ao mercado e reviveu o rali. "A menos que haja uma resolução rápida, os protestos vão oferecer um bom suporte para os preços", disse Amrita Sen, analista do Barclays Capital.

O volume de negócios deve permanecer baixo nesta segunda-feira por causa de um feriado nos EUA. O pregão viva-voz da Nymex não funcionará e o pregão eletrônico terá as negociações interrompidas mais cedo. As informações são da Dow Jones.

(Texto atualizado às 14h39)

Tudo o que sabemos sobre:
petróleoLíbiatensõesfornecimento

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.