Tesouro Direto deve estimular queda de taxas de administração em fundos

O programa Tesouro Direto exerce concorrência com a indústria de fundos de investimento e deve contribuir para baixar as taxas de administração desses produtos, segundo avaliação do coordenador geral de Planejamento Estratégico de Dívida Pública do Tesouro Nacional, Otávio Ladeira Medeiros. Para ele, a perspectiva para o programa do governo é de crescimento, embora não haja propaganda nem canal bancário divulgando o produto. Medeiros disse que o Tesouro Direto é mais rentável que os fundos de renda fixa com taxa de administração igual ou superior a 2%. Segundo ele, o programa do governo ofereceu rentabilidade bruta de 17,31% em um ano após desconto da taxa de administração de 0,9%. Os fundos de renda fixa com taxa de administração de 2% renderam 16,21%, os que cobram 3% renderam 15,21% e os com taxa de 4% ofereceram rentabilidade de 14,21%, de acordo com ele. "O Tesouro Direto é incentivador de um custo menor dos fundos para pequenos investidores", disse em palestra no "Fund Fórum Brasil 2006", promovido pelo IIR Conference em São Paulo. O programa Tesouro Direto foi criado em 2002 pelo Tesouro Nacional, em conjunto com a Companhia Brasileira de Liquidação e Custódia (CBLC), para permitir a aquisição de títulos públicos por parte de pessoa física pela Internet. Alguns dos objetivos, segundo Medeiros, são incentivar a formação de poupança de longo prazo e fornecer informações sobre a administração e a estrutura da dívida pública federal brasileira. Os investidores podem comprar títulos públicos diariamente, inclusive aos finais de semana e feriados, com valor mínimo de R$ 100,00 por negócio. O limite máximo de compra é R$ 400 mil por mês. O investidor pode montar uma carteira de acordo com seu perfil e necessidade de fluxo de caixa. Os investidores cadastrados no Tesouro Direto somavam 57.905 pessoas em abril deste ano. Segundo Medeiros, 81,2% dos investidores têm entre 20 e 50 anos. A maior parte das operações (32,0% do total) tem valor de aplicação inferior a R$ 1.000,00 o que mostra a participação do pequeno investidor, segundo o Tesouro. O estoque de investimentos no programa Tesouro Direto era de R$ 904,2 milhões em abril deste ano, com crescimento de 9,2% em relação a dezembro, quando o montante era de R$ 828,3 milhões. Em 2005, o estoque avançou 70% em relação ao ano anterior. O Banco do Brasil é responsável por 34,3% das vendas, segundo pesquisa considerando os diversos agentes de custódia. (Reportagem divulgada pelo AE Empresas e Setores, serviço da Agência Estado de informação e análise do mercado de capitais, de setores da economia, de empresas de capital aberto e de fundos de investimento)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.