Títulos da dívida externa reduzem ritmo de baixa

Os títulos da dívida externa brasileira operam em baixa neste início de tarde, mas acima das mínimas atingidas mais cedo. Os papéis se recuperam junto com o juro dos títulos do Tesouro dos Estados Unidos, que opera abaixo das máximas. O Global40, principal título brasileiro, era cotado em 124,90 centavos de dólar na compra e em 125,10 centavos na venda, segundo a corretora ICAP/Garban, próximo às 11h52 (de Brasília). Na mínima, chegou a 124,50 centavos (-0,91%) na corretora, depois de abrir em 125,00 centavos. Na corretora López León, o Global40 abriu a 124,90 centavos e caiu até 124,40 centavos na mínima. No mesmo horário acima, era cotado em 124,70 centavos na compra e em 125,20 centavos na venda. Os papéis são castigados pelas incertezas provocadas no mercado externo pelo comunicado do Federal Reseve (o banco central dos EUA) e por temores de inflação, os quais provocaram aversão generalizada ao risco. Na semana passada, o Fed manteve aberta a possibilidade de elevar o juro na reunião do final de junho e disse que as próximas decisões de política monetária serão tomadas de acordo com o comportamento da economia. Paralelamente, o mercado de commodities registrou forte apreciação, provocando temores de aumento da inflação, o que, potencialmente, poderia levar o Fed a mover o juro em alta. Nesta segunda-feira, a aversão do risco continuou pesando nos mercados, apesar da desaceleração nos preços das commodities.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.