Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90
Germano Rorato/Estadão
Germano Rorato/Estadão

Top Picks: Commodities, bancos e varejo são setores favoritos na temporada de balanços

Analista também aponta o setor de locação de veículos como um dos destaques do segundo trimestre, já que a reabertura das lojas de rua deve contribuir significativamente para os resultados

Luísa Laval, O Estado de S.Paulo

16 de julho de 2021 | 21h00

A partir da próxima semana, a maior parte das empresas de capital aberto irá divulgar seus resultados para o segundo trimestre de 2021, e as corretoras e casas de análise já têm suas apostas para os destaques da temporada. Ações ligadas aos setores de commodities, bancos e varejo são apontadas como favoritas entre as divulgações de balanços.

Para Luis Sales, estrategista-chefe da Guide Investimentos, o segmento varejista, especialmente o de vestuário, deve ser o grande destaque do período. "Os últimos dados de vendas no varejo divulgados pelo IBGE, aliados à reabertura comercial e datas comemorativas no período (Dia das Mães e Dia dos Namorados) favoreceram este setor", avalia.

A casa tem como nomes preferidos empresas ligadas a públicos de média e alta renda, como Arezzo, Grupo Soma e Vivara, mas também companhias que possuem operações físicas fora dos shoppings, como as Lojas Marisa.

Já o Santander aposta nas commodities, principalmente no setor de papel e celulose, já que as exportadoras venderam o segundo trimestre a celulose a preços superiores aos do primeiro trimestre. "Acreditamos que os resultados devem retirar certo mau humor que havia no mercado com ações exportadoras de commodity em ambiente em que a moeda brasileira se valorizou e o preço da commodity (celulose) começou a cair", afirma Fernando Hadba, estrategista de Pessoa Física da Santander Corretora.

A ação favorita do segmento é a da Suzano, pois o analista continua a ver preços acima de US$ 700 para a celulose que a empresa exporta no ano de 2021 e US$ 615 no ano de 2022, cenário que permitirá a desalavancagem da empresa.

O banco também menciona papéis ligados ao petróleo, pois os preços foram altos durante o trimestre e devem ter bons resultados de maneira geral, com destaque para PetroRio e Petrobrás.

A Nord Research destaca o setor bancário para a temporada, com reversão das provisões (PDD) e aquecimento do mercado de capitais, movimentado por diversos IPOs e follow-ons, por exemplo. "Nossos favoritos no setor são XP e BTG Pactual, que conseguem surfar bem essa onda. Enquanto a XP apresenta mais força no varejo, o BTG conta com uma estrutura mais robusta no lado institucional", avalia Danielle Lopes, sócia da casa de análises.

Ela também aponta o setor de locação de veículos como um dos destaques do segundo trimestre, já que a reabertura das lojas de rua deve contribuir significativamente para os resultados.

Entre as mudanças das carteiras semanais, a Ativa Investimentos fez três trocas. Incluiu CSU Cardsystem ON, Taesa Unit e Unipar Carbocloro PNB, enquanto retirou JBS ON, Lojas Renner ON e Vale ON.

A Elite Investimentos incluiu Inter PN e Tegma ON, ao mesmo tempo que removeu 3R Petroleum ON e Vale ON.

Já a MyCap fez duas alterações, com a entrada de Santos Brasil ON e Taesa Unit e saída de Aeris ON e Petz ON.

A Necton mudou quase toda a composição da carteira: retirou PetroRio ON, Suzano ON, Raia Drogasil ON e Santander Brasil Unit. No lugar, pôs BB Seguridade ON, Enauta ON, Marfrig ON e Sequoia ON

A Órama fez uma troca ao incluir Simpar ON e retirar Hypera ON. A Terra Investimentos excluiu Magazine Luiza ON para inserir Weg ON.

Por fim, a XP realizou uma mudança, com a saída de Usiminas PNA e entrada de Dexco ON (novo nome da Duratex).

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.