André Dusek/Estadão - 9/1/2018
André Dusek/Estadão - 9/1/2018

Top Picks: Após resultados positivos no 2º tri, ações do setor bancário têm espaço para subir

Condições devem se manter favoráveis para o segmento, principalmente após o Banco Central reajustar a taxa Selic para 5,25% e sinalizar novos aumentos no futuro

Marcia Furlan, O Estado de S.Paulo

06 de agosto de 2021 | 21h00

Os maiores bancos do Brasil divulgaram seus resultados nas duas últimas semanas e mostraram uma retomada em direção aos níveis pré-pandemia. Somados, os lucros do Banco do Brasil, Bradesco, Itaú Unibanco e Santander Brasil cresceram 63% na comparação com o mesmo período do ano passado, em um cenário de inadimplência comportada e crescimento do crédito.

A expectativa do mercado agora é que as condições se mantenham favoráveis ao setor, com o ganho adicional que deve vir de spreads maiores em razão do aumento da taxa de juros. Nessa semana, o Banco Central elevou em 1 ponto porcentual a taxa Selic, para 5,25%, e sinalizou com a possibilidade de elevar mais um ponto em setembro.

"Com a economia funcionando mais aberta, os bancos devem seguir ampliando crédito em todas as modalidades e com spreads melhores. Além disso, o segundo semestre pode ser melhor também para operações de Tesouraria e reversão de provisões para devedores duvidosos", avalia Álvaro Bandeira, economista-chefe do Banco ModalMais. Ele acrescenta que as ações do setor estão defasadas em relação a outras opções de investimento e por isso podem ter melhor performance.

Para a Órama Investimentos, os papéis de bancos estão operando em múltiplos abaixo do histórico. Segundo o chefe de análise de ações, Phil Soares, os preços recuaram além do justificável e, com a lucratividade normalizada, devem subir nos próximos meses.

O empenho das instituições para a digitalização dos serviços, até por força da concorrência, também é bem vista pelo mercado, pela possibilidade de levar a maior eficiência. Segundo Regis Chinchila, da Terra Investimentos, espera-se para os próximos meses um crescimento na qualidade dos lucros. "Nossa visão continua construtiva pela adoção de gestão estratégica de custos", afirma.

Henrique Esteter, da Guide Investimentos, acrescenta que os resultados dos bancos começam a se normalizar após o baque do ano passado. Isso abre espaço para um posicionamento visando o longo prazo, apesar de o cenário no curto prazo seguir desafiador.

Com relação às carteiras recomendadas para a próxima semana, a Ativa fez apenas uma substituição. Retirou Porto Seguro ON e colocou Santander Unit. As outras Top Picks são Ambipar ON, BR Partners Unit, JBS ON e Weg ON.

O Banco Daycoval fez três alterações: saíram Bradesco PN, Lojas Americanas ON e Raia Drogasil ON e entraram Itaú PN, Hapvida ON e Natura ON, permanecendo Lojas Renner ON e Vale ON. A Elite manteve em sua carteira a Metalúrgica Gerdau PN, Intelbras ON e Vale ON e inseriu Alpargatas PN e M. Dias Branco ON, no lugar de Assaí ON e Banco Inter Unit.

A Guide Investimentos incluiu Bradesco PN, Lojas Quero-Quero ON e Totvs ON e retirou Banco Pan PN, Mater Dei ON e Movida ON, enquanto PetroRio ON e Vale ON ficaram. Da carteira da Mirae Asset saíram JHSF ON, Banco Inter Unit e Santos Brasil ON. Entraram no lugar Itaúsa PN, JBS ON e Randon PN. Permaneceram Gerdau PN e Vale ON.

A MyCap deixou Ambipar ON, CSN ON e Irani ON, ao mesmo tempo em que colocou Natura ON e Banco Inter Unit no lugar de Enauta ON e Eternit ON. A Órama manteve BTG Pactual Unit, Itaú PN e Simpar ON e trocou as ações da Santos Brasil ON e Vale ON pelas ações da Hypera ON e da Totvs ON.

Veja a lista:

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.