Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Tóquio cai com produção industrial ruim e Tepco

Queda da produção industrial em novembro e incertezas com Tepco abalaram o humor dos investidores

Patrícia Lara, da Agência Estado,

28 de dezembro de 2011 | 07h35

A Bolsa de Tóquio fechou em baixa, após o dado pior do que o esperado sobre a produção industrial abalar o humor dos investidores, enquanto as incessantes apreensões sobre o destino da Tokyo Electric Power (Tepco) lançaram as ações da empresa de energia à mínima recorde. O Nikkei cedeu 16,94 pontos (0,2%), a 8.423,62 pontos, após recuo de 0,5% no dia anterior. O volume de negócios continuou enfraquecido e totalizou 1 bilhão de ações. No entanto, o giro superou o movimento dos dois pregões anteriores, que foram os menores de 2011.

O clima foi abalado pelo dado que mostrou que a produção industrial japonesa caiu 2,6% em novembro, ante outubro, embora economistas tenham feito comentários encorajadores sobre as previsões fortes para dezembro e janeiro.

As ações da Tepco despencaram 12%, para 186 ienes - nova mínima recorde - após o ministro da Indústria e Comércio do Japão, Yukio Edano, afirmar que a empresa de utilidade pública precisa de uma reconstrução fundamental de suas finanças e que a companhia deveria considerar todas as opções, incluindo a de um controle estatal temporário. As ações da Tepco perderam 91% desde 11 de março, quando o terremoto que devastou a região Nordeste do Japão provocou a pior crise nuclear do país.

A Sharp fechou com perda de 3,2%, depois que a promotoria geral do Estado de Nova York informar que a companhia, a sul-coreana Samsung Electronics e mais cinco outras empresas da Ásia fecharam um acordo para pagar US$ 553 milhões para encerrar um litígio sobre práticas ilegais na fixação de preços de displays de cristal líquido. As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.