Tóquio encerra com perda de 2,9%

A Bolsa de Tóquio fechou com forte queda nesta quarta-feira e os operadores alertam que o movimento de vendas pode se aprofundar enquanto os mercados globais estiverem queimando os ganhos obtidos em recentes ralis de longa duração. O índice Nikkei 225 encerrou com baixa de 2,9%, ou 515,80 pontos, seu maior declínio em pontos desde 13 de junho de 2006. O total ficou em 17.604,12 pontos, acima da mínima do dia, que foi de 17.382,79 pontos. Segundo o diretor administrativo da Societé Generale Asset Management, Shigeharu Shiraishi, a Bolsa deve entrar em uma fase de correção ao longo das próximas duas ou três semanas, podendo puxar o Nikkei 225 para perto do nível dos 17 mil pontos. ?Mas a tendência geral de alta não mudará no longo prazo?, ressalvou. As condições econômicas mundiais relativamente favoráveis dificilmente vão se reverter de forma súbita, disse Shiraishi. Ele acrescentou que, ao longo dos próximos meses, muitas companhias japonesas revisarão suas projeções de lucro para este ano fiscal. Na sessão de hoje, corretoras e estaleiros apresentaram baixas relativamente grandes, após os fortes ganhos obtidos recentemente. Nikko Cordial desabou 15% após a divulgação da notícia de que a Bolsa de Tóquio estaria preparando a exclusão da corretora, devido ao sistemático envolvimento de executivos da Nikko em escândalos de manipulação contábil. A Bolsa desmentiu a notícia. A valorização do iene prejudicou blue chips exportadoras. Honda Motor caiu 4,7% e Toyota Motor baixou 3,8%. Sony perdeu 5,4% e Sharp teve retração de 4,4%. As informações são da Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.