Tóquio fecha com maior queda desde março de 2011

A alta dos retornos de bônus do governo japonês, fracos dados da indústria chinesa e queda do dólar puxaram queda

23 de maio de 2013 | 04h21

As ações na Bolsa de Tóquio despencaram nesta quinta-feira, registrando a queda mais acentuada em mais de dois anos. A alta dos yields (retorno ao investidor) de bônus do governo japonês, fracos dados do setor industrial da China e uma queda do dólar se uniram para provocar pesadas vendas em todas as áreas do pregão, começando com os exportadores, finanças e ações de empresas imobiliárias.

O índice Nikkei perdeu 1.143,28 pontos, ou 7,3%, para fechar em 14.483,98, após alta de 1,6% na sessão anterior.

Em uma base de pontos porcentuais, a queda foi a pior desde março de 2011 quando um terremoto e um tsunami que devastaram a região do nordeste do Japão levaram a uma forte volatilidade do mercado. O índice Nikkei caiu 10,55% em 15 de março daquele ano.

Os níveis de participação foram os mais pesados na história da Bolsa de Tóquio, superando 7,655 bilhões de ações. O valor de todos as operações também foi bastante elevado, totalizando 5,837 trilhões de ienes.

Uma combinação de fatores contribuiu para a liquidação, disseram agentes do mercado. A alta do yield de bônus de 10 anos do governo japonês, também conhecidos como JGBs, para 1,0% foi um claro fator negativo. Ao mesmo tempo, fracos resultados do índice de gerentes de compras (PMI, na sigla em inglês) preliminar do setor industrial da China, medido pelo HSBC, pressionaram as ações.

A queda do dólar para o nível de 102 ienes representou um peso a mais no pregão de Tóquio. O dólar foi mudando de mãos em torno de 102,11 ienes por volta do horário de fechamento da bolsa, depois de subir acima de 103 ienes no início da sessão.

"As ações em Nova York e o mercado de ienes vão determinar a direção de curto prazo para as ações no Japão", disse Hiroyuki Fukunaga, CEO da Investrust. "A força do dólar acima do nível de 102 ienes é fundamental para o apoio ao mercado." As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
japãobolsa

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.