Tóquio fecha em alta após vitória do governo

O índice Nikkei avançou 0,5%, para 14.658,04 pontos, após a queda de 1,5% na sessão anterior

22 de julho de 2013 | 09h12

As ações na Bolsa de Tóquio fecharam em alta nesta segunda-feira, após a vitória arrebatadora da coalizão governista nas eleições da Câmara Alta do Parlamento do Japão. O índice Nikkei avançou 0,5%, para 14.658,04 pontos, após a queda de 1,5% na sessão anterior.

Os níveis de participação foram relativamente leves, com 2,47 bilhões de ações sob o valor de 2,0 trilhões de ienes trocando de mãos.

Os principais índices abriram em alta após os resultados eleitorais da Câmara Alta, que deram ao Partido Liberal Democrático (PLD) e seu parceiro de coalizão a maioria dos assentos em ambas as casas do Parlamento e solidificaram o poder do primeiro-ministro Shinzo Abe.

O resultado das eleições ficaram em linha com o esperado, mas a confirmação do resultado, combinado com um dólar relativamente forte, manteve o suporte ao Nikkei, disseram analistas. Um iene mais fraco é considerado positivo para o mercado acionário, pois ajuda os grandes exportadores do Japão.

A força do dólar não se manteve, no entanto, uma vez que a moeda dos EUA oscilou em relação aos níveis observados antes da abertura e recuou para marcas mais baixas dos valores de sexta-feira. Como resultado, o Nikkei passou uma boa parte da sessão em território negativo.

Com as eleições fora do caminho agora, as maiores prioridades de políticas econômicas para o governo do Japão serão a decisão sobre a elevação do imposto sobre consumo, implementação de estratégias de crescimento, o início do debate sobre a redução dos impostos sobre investimento e a participação nas negociações da Parceria Transpacífico (TPP, na sigla em inglês), disse o economista-chefe no Japão Tomo Kinoshita, da Nomura Securities.

A decisão final sobre aumento do imposto sobre consumo deve ser feita após a divulgação dos números do PIB do segundo trimestre. Os dados preliminares devem ser divulgados em 12 de agosto. Fonte: Dow Jones Newswires.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.