Tóquio fecha em alta; fim de ano fiscal pode trazer baixa

O mercado japonês fechou com leve alta nesta sexta-feira, liderado por papéis de empresas dos setores farmacêutico e bancário. Mas as ações podem registrar alguma queda na próxima semana em razão do término do ano fiscal japonês, em março. "Haverá uma queda depois do dia de ex-dividendos (segunda-feira)", disse Toshihiro Atae, chefe de vendas domésticas da corretora Societe Generale Tokyo FIMAT. Dia de ex-dividendos é a data a partir da qual uma ação não pode mais distribuir os dividendos do período corrente. O índice Nikkei 225 da Bolsa de Tóquio subiu 61,41 pontos, ou 0,4%, para 17.480,61 pontos, sua quarta alta consecutiva. As ações das principais farmacêuticas encerraram o dia em alta. Muitas delas foram vistas como retardatárias, depois que importantes papéis registraram ganhos ontem. Além disso, muitas dessas empresas devem pagar bons dividendos. Essas ações também se beneficiaram das compras especulativas estimuladas pelos planos da Eisai de comprar a Morphotek, empresa americana de biotecnologia. Takeda Pharmaceutical fechou em alta de 2,2% e Daiichi Sankyo avançou 1,6%. Bancos, que têm grande participação em empresas imobiliárias, também registraram bons resultados. Segundo os operadores, o setor registrou uma performance abaixo do esperado nos últimos tempos, mas os investidores voltaram a comprar essas ações, depois de o governo ter divulgado, quinta-feira, que os preços das terras no Japão subiram em 2006 pela primeira vez desde 1990. Mitsui Trust Holdings avançou 2,1% e Sumitomo Mitsui Financial Group subiu 1,9%. Já alguns papéis de tecnologia e imobiliárias caíram. Alps Electric recuou 4,7% depois que a Deutsche Securities rebaixou a classificação de suas ações de ?manter? para ?vender?. Segundo a Deutsche, a decisão da Alps de abandonar a produção de disco rígido pode melhorar os lucros da empresa no longo prazo. Mas, no curto prazo, o impacto sobre suas operações pode ser uma fonte de preocupações. Algumas empresas do setor imobiliário também caíram, já que os operadores acreditam que as razões para compras deixaram de existir. Heiwa Real Estate caiu 2,4% e Mitsubishi Estate fechou 1,6% abaixo do registrado no pregão anterior. As informações são da Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.