Tóquio fecha em baixa pelo segundo dia consecutivo

O pregão na Bolsa do Japão foi bastante volátil nesta quinta-feira. A decisão dos investidores de realizar lucros, principalmente de empresas de crédito ao consumidor e corretoras, fez com que o principal índice do mercado japonês registrasse sua segunda queda consecutiva. O Nikkei 225 esteve em territórios positivo e negativo durante a sessão, mas fechou aos 16.838.17 pontos, 0,6% abaixo do registrado ontem. Segundo alguns traders, essa intensa volatilidade fez com que muitos investidores se mantivessem fora do mercado. Mas a maioria dos participantes do mercado acredita que novos ganhos serão registrados assim que houver mais estabilidade. ?Eu não estou preocupado com essas vendas. Na verdade, janeiro costuma ser um bom mês para o mercado de ações?, disse Akio Yoshino, economista da Societe Generale Asset Management, em Tóquio. Os papéis de empresas de crédito ao consumidor fecharam em queda, em razão da realização de lucros, que se seguiu à forte procura por essas ações no final de 2006. A maior baixa do dia foi Promise, que recuou 6,1%. Takefuji teve declínio de 5,4%. As ações da Shinko Securities, que tiveram forte alta ontem em razão das informações sobre sua fusão com a Mizuho Securities, caíram 3,3%. Outras corretoras, que também registraram alta ontem, caíram nesta quinta-feira. Nomura Holdings registrou baixa de 2,2%. Papéis de grandes empresas do setor de eletrônicos contiveram a retração do mercado. Nintendo subiu 6% depois que a UBS e o Nikko Citigroup elevaram sua classificação de risco. Elpida Memory avançou 1,3% com a notícia de que a empresa superou sua concorrente sul-coreana Samsung Electronics na disputa para a produção de uma nova linha de memórias flash de alta capacidade. Algumas empresas dos setores siderúrgico e petrolífero registraram alta depois das fortes vendas da semana passada. A fabricante de aço JFE Holdings subiu 1%, depois de perdas acumuladas de 5,7% neste ano. A refinadora Showa Shell Sekiyu K.K. avançou 0,9%. As informações são da Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.