Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Tóquio fecha em queda com sessão altamente volátil

Suposta intervenção do Banco do Japão no mercado evitou queda maior do índice Nikkei

07 de junho de 2013 | 05h13

As ações na Bolsa de Tóquio fecharam em queda nesta sexta-feira, após uma sessão bastante volátil, tendo em vista que o efeito do dólar acentuadamente mais fraco e da venda de futuros foi limitado pelo otimismo sobre as novas medidas do fundo de pensão do governo. Outro elemento que ajudou a evitar uma queda maior foram as especulações sobre uma suposta intervenção do Banco do Japão no mercado.

Esta combinação de fatores, somados a ansiedade sobre os dados do mercado de trabalho dos EUA que devem ser publicados nesta sexta-feira e o vencimentos de futuros e opções do Nikkei, foi suficiente para produzir uma variação de 558 pontos no índice Nikkei. Por causa das quedas recentes, o índice entrou temporariamente em "território bear", que marca uma queda de 20% a partir da máxima intraday registrada no fim de maio.

O índice Nikkei registrou uma perda líquida de 26,49 pontos, ou 0,2%, e fechou aos 12.877.53 pontos, após queda de 0,9% na sessão anterior. A série de três dias de baixas coloca o Nikkei com recuou de 19,2% ante sua máxima intraday de 23 de maio.

Ações variaram bastante desde a abertura do pregão, acompanhando a queda do dólar para menos de 98 ienes na quinta-feira. O nervosismo sobre uma possível redução do programa de compra de ativos do banco central dos EUA pesou sobre os mercados ontem. O dólar caiu ainda mais nesta sexta e chegou a ficar sob 96 ienes, puxando as ações para o menor nível em dois meses durante a sessão.

"Os fundos de Hedge no exterior, que tinham fornecido mais de 4 trilhões de ienes de apoio ao mercado de ações ao longo dos últimos seis meses, passaram a desfazer posições vendidas em ienes e compradas em futuros do Nikkei desde o final de maio", disse Norihiro Fujito, estrategista de investimentos sênior da Mitsubishi UFJ Morgan Stanley Securities. "Combinado com nervosismo sobre as taxas de juros globais e os próximos dados do mercado de trabalho dos EUA, as ações estão encontrando menos sustentação - independentemente de preços mais baratos".

Mas os sinais de uma reviravolta nas operações da sessão da tarde levaram muitos a crerem que os mecanismos de sustentação de preços do governo para o mercado de ações estavam tendo efeito. "Havia fortes sinais de compras da operação de manutenção de preços (PKO, na sigla em inglês) do Banco do Japão com ordens em ETFs e REITs", disse o diretor de negociação de ações de uma corretora estrangeira. "Sem as compras, o Nikkei poderia ter muito bem atingido o nível de 12.000 pontos".

Fundos negociados em bolsa, ou ETFs, selecionados subiram bastante durante a sessão à medida que o mercado mais amplo continuava a cair. O índice de REITs, ou fundos de investimento imobiliário, da Bolsa de Tóquio terminou com um ganho de 0,9%, aos 1.301,42 pontos.

Além disso, durante o intervalo da sessão, surgiram notícias de que o Fundo de Investimento de Pensões do Governo (GPIF, na sigla em inglês) estava discutindo alterações em seu plano de investimento de médio prazo. Após o fechamento do mercado, o GPIF disse que vai elevar sua meta de alocação em ações domésticas para 12%, de 11%.

O índice Nikkei chegou a atingir terreno positivo faltando meia hora para o fim do pregão, mas, logo, voltou a cair e fechou em baixa. Fonte: Dow Jones Newswires.

Tudo o que sabemos sobre:
japãobolsa

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.