Tóquio fecha em queda de 2,9%, 3ª maior baixa do ano

A Bolsa de Tóquio teve a sua terceira maior baixa do ano, com as ações das companhias exportadoras japonesas prejudicadas tanto pela queda de ontem da Bolsa de Nova York quanto pela desvalorização do dólar frente ao iene. O índice Nikkei 225 caiu 2,9%, aos 16.676,89 pontos. Os investidores estão ficando ainda mais cautelosos ante qualquer sinal de diminuição no ritmo de crescimento da economia dos EUA. Segundo os operadores, as perspectivas para a economia norte-americana e para a cotação do dólar terão um impacto ainda maior no mercado japonês, com as preocupações dos investidores voltando-se particularmente para as empresas de alta tecnologia e para as montadoras de automóveis. ?O Nikkei 225 se movimentará entre os 16.500 e os 17 mil pontos, com os investidores de olho nos mercados dos EUA?, previu Ryuta Otsuka, estrategista da Toyo Securities. Mas ele não descartou a possibilidade de o indicador mergulhar abaixo da sua recente mínima ?intraday?, de 16.532,91 pontos, atingida em 5 de março. As ações da Nikko Cordial deram um salto de 13,4% depois que o Citigroup decidiu elevar a oferta pela corretora, de 1,35 iene por ação, para 1,70. A Seiko Epson amargou uma queda de 5,4% após o jornal "Nikkei" noticiar que a empresa teria prejuízo pelo segundo ano consecutivo. De fato, depois do fechamento da bolsa, a empresa informou que prevê um prejuízo de 18 bilhões de ienes no ano fiscal que se encerra neste mês. A Sojitz teve baixa de 6,7% depois que um avião da Bombardier fez um pouso de emergência no aeroporto de Kochi, ontem. A empresa é a agente de vendas no Japão da companhia canadense. As informações são da Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.