Tóquio fecha na maior queda porcentual em um mês

Resultados corporativos que não conseguiram impulsionar o mercado, somados a um dólar mais fraco, levaram os investidores a tirar dinheiro do pregão antes que mais notícias ruins pesassem ainda mais sobre o mercado

Agência Estado,

26 de julho de 2013 | 08h01

As ações na Bolsa de Tóquio fecharam em queda nesta sexta-feira, registrando o maior declínio porcentual em um mês. Resultados corporativos que não conseguiram impulsionar o mercado, somados a um dólar mais fraco, levaram os investidores a tirar dinheiro do pregão antes que mais notícias ruins pesassem ainda mais sobre o mercado.     

O índice Nikkei caiu 432,95 pontos, ou 3,0%, para 14.129,98 pontos, após o recuo de 1,1% na sessão anterior. O resultado desta sexta-feira marcou a pior queda porcentual desde 13 de junho. Na semana, o índice cedeu 3,2%. Os níveis de participação foram os mais pesados desde a semana passada. O volume de operações superou 2,71 bilhões de ações, o que se traduziu em um valor de 2,37 trilhões de ienes.

A forte onda de vendas do dólar foi o principal catalisador para o enfraquecimento das ações em Tóquio. Além disso, os resultados corporativos não têm sido animadores, disseram operadores. A Nissan caiu 1,3%, apesar de registrar uma alta de 14% no lucro líquido trimestral, visto que as margens operacionais se deterioraram em operações no exterior, em parte devido a perdas no mercado europeu e baixa rentabilidade na América do Norte, observaram analistas.

A Canon cedeu o terreno pelo segundo dia consecutivo, caindo 2,5% nesta sexta-feira, depois de uma queda de 5,4% no dia anterior, após o corte na previsão para o ano fiscal. Nesta quinta-feira, 25, uma onda de vendas na empresa Caterpillar em Wall Street também pesou sobre as ações no Japão. O corte na previsão de ganhos em 2013 da Caterpillar levou à vendas na Komatsu e no Hitachi Construction Machinery. As empresas caíram 3,6% e 3,8%, respectivamente, em Tóquio.

Além disso, o núcleo do índice de preços ao consumidor (CPI, na sigla em inglês) do Japão subiu 0,4% em junho ante o mesmo período do ano anterior, superando a alta de 0,3% prevista por economistas. Contudo, apesar do aparente avanço nos esforços do Banco do Japão (BoJ, na sigla em inglês) em superar a contínua deflação no país, os dados não tiveram efeito significativo sobre as ações. Fonte: Dow Jones Newswires.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.