Tóquio fecha no nível mais alto desde julho de 2008

Índice Nikkei fechou em alta de 1,9%, aos 13.568,37 pontos, após um avanço de 0,7% na sexta-feira

AE, Agencia Estado

22 de abril de 2013 | 04h37

As ações na Bolsa de Tóquio fecharam em terreno positivo nesta segunda-feira, com o índice Nikkei atingindo o nível mais alto em quatro anos e nove meses. O mercado avançou depois que o Japão conseguiu se desviar de críticas na reunião do G-20 sobre seu agressivo programa de relaxamento monetário, levando o iene a se desvalorizar ante o dólar e beneficiando papéis de exportadores.

O índice Nikkei fechou em alta de 1,9%, aos 13.568,37 pontos, após um avanço de 0,7% na sexta-feira. O nível de fechamento foi o mais alto desde 24 de julho de 2008, mas o índice subiu ainda mais durante a sessão, com máxima intraday de 13.611,58 pontos.

Os níveis de participação foram elevados, totalizando mais de 4,4 bilhões de ações no valor de quase 2,8 trilhões de ienes. O montante do volume foi o maior desde 12 de abril.

Na sexta-feira, as autoridades do G-20 sinalizaram a aprovação do esforço japonês para estimular o crescimento econômico por meio de medidas agressivas de relaxamento monetário. Com isso, o iene se desvalorizou ante o dólar. No fim da tarde em Tóquio, o dólar mudava de mãos por volta de 99,74 ienes.

Grande exportadores, assim como empresas de telecomunicações, lideraram o mercado para o terreno positivo. A KDDI ganhou 2,9% e a Tokyo Electron avançou 3,2%.

A Honda Motor puxou as montadoras com uma alta de 1,7%. Os setores sensíveis a políticas de relaxamento superaram os índices mais amplos. A Seven & I Holdings continuou sua série de altas, liderando os varejistas com um ganho de 3,5%. Já o Aiful ganhou 3,0% e a Kajima Corp subiu 8,5%.

Entre as principais empresas de finanças, a Nomura Holdings ganhou 2,4%.

Uma notícia do Nikkei sobre uma possível negociação de fusão entre a Mitsui Engineering & Shipbuilding e a Kawasaki Heavy Industries teve um grande impacto sobre as ações da Mitsui, que fecharam em alta de 13%. Já a Kawasaki Heavy Industries cedeu 0,9%.

A fusão entre os dois poderia criar uma "mega companhia" com quase 2 trilhões de ienes em vendas anuais, segundo o Nikkei. Ambas as empresas negaram que a reportagem foi baseada no que elas já haviam anunciado.

As ações de companhias ligadas à agricultura subiram depois que os EUA e outros 10 países envolvidos nas negociações do Acordo de Comércio Transpacífico (TPP, na sigla em inglês) aprovaram oficialmente no sábado a participação do Japão nas conversações. A Kubota Corp subiu 3,5%, enquanto a fabricante de pesticida Nihon Nohyaku avançou 5,2%. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
JAPÃOBOLSA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.