Tóquio fecha primeiro pregão do ano com alta de 0,7%

O primeiro pregão do ano da Bolsa de Tóquio terminou em alta. A desvalorização do iene e a perspectiva de fortes ganhos beneficiaram tanto as ações de empresas exportadoras (como as montadoras de automóveis) quanto os papéis de companhias mais sensíveis à demanda doméstica. Em um dia em que o mercado operou apenas em meio expediente, o índice Nikkei 225 subiu 0,7% e fechou aos 17.353,67 pontos. Foi a quinta sessão consecutiva de alta do índice, que está cerca de 200 pontos abaixo do nível máximo de 2006. ?O preço das ações pode dar a impressão de superaquecimento, mas em termos de volume de comercialização o mercado não está superaquecido?, disse Shin Yamaji, chefe do departamento de participações da Mitsubishi UFJ Securities. Segundo os operadores da bolsa, os investidores permanecem otimistas e não manifestaram nervosismo diante da notícia, veiculada por um jornal local durante o feriado de Ano Novo, de que o banco central estaria considerando aumentar a taxa de juros em sua reunião de meados de janeiro. No setor exportador, as ações da Toyota encerraram o dia com alta de 1,6%, a 8,09 ienes, depois de terem alcançado o preço recorde de 8,14 ienes no meio da sessão. Os papéis da Nissan se valorizaram 1,5%. As ações da Fuji Heavy, fabricante dos carros da marca Subaru, avançaram 4,7%, graças à notícia de que sua maior acionista, a Toyota, utilizará a marca Subaru nos carros compactos vendidos na Europa. Os investidores também demandaram ações das empresas globais de maquinaria elétrica e equipamentos de infra-estrutura pesada. Hitachi subiu 6,1%, Toshiba avançou 2,6% e Mitsubishi Electric terminou com alta de 3,9%. Sony se valorizou 1,8%. As vendas de algumas ações do setor de tecnologia sinalizaram que pode haver realização de lucros mais à frente. Mas, segundo os operadores, o fluxo favorável de investimentos de um setor para o outro acabou se refletindo nas compras dos papéis de companhias voltadas para o consumo interno, em uma contínua busca por pechinchas. Entre as ações do setor de tecnologia que tiveram queda de preços, Advantest recuou 1,5%, depois de ter atingido a mais alta cotação desde que a companhia realizou um desdobramento de suas ações, em setembro. Tokyo Electron perdeu 3%. As informações são da Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.