Tóquio interrompe seqüência de altas e recua 0,5%

Com realizações de lucros nos superaquecidos setores imobiliário e de siderurgia, que até ontem lideravam a valorização das ações, a Bolsa de Tóquio interrompeu uma série de pregões em que vinha fechando em alta. O índice Nikkei 225 caiu 0,5%, para 18.119,92 pontos, depois de ter atingido na segunda-feira a maior pontuação dos últimos seis anos e meio. Dada a forte seqüência de altas, o mercado acionário japonês tinha começado a dar sinais de superaquecimento. Agora, os operadores acreditam que a bolsa deve se consolidar nos níveis atuais, com as ações de siderúrgicas e de companhias imobiliárias sendo as mais suscetíveis a uma retração. "Não será surpresa se virmos alguma realização de lucros nestes setores", comentou Olaf Kasten, chefe de operações e estruturação do BNP Paribas em Tóquio. A segunda maior siderúrgica do Japão, a JFE Holdings, fechou com perda de 2,3%. No setor imobiliário, Developer Tokyu Land recuou 3,1%. O volume de negócios, no entanto, permaneceu elevado, com o deslocamento dos investidores para as ações que pagam altos dividendos, como as companhias de serviços públicos. Estas foram as mais notáveis ganhadoras do dia, em meio à expectativa de uma possível consolidação do setor. Tal expectativa foi reforçada com a compra da empresa de serviços públicos norte-americana TXU Corp. pelo fundo Texas Pacific Group. O negócio estimulou, no Japão, os investidores que buscam ações de altos dividendos. Tokyo Electric Power subiu 2,4%. A empresa paga um dividendo de 1,4%, contra um rendimento de 1,64% do bônus de dez anos do governo japonês. As operadoras de telefonia móvel, outro setor que paga bons dividendos, também se destacaram no pregão. NTT DoCoMo avançou 2,7% e KDDI subiu 3,3%. As informações são da Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.