Tóquio recua 0,1% com incerteza em relação à Tepco

Investidores se mostram desconfortáveis com a postura do governo quanto ao futuro do setor de energia e aos possíveis pedidos para que os bancos perdoem parte das dívidas

Hélio Barboza, da Agência Estado,

20 de maio de 2011 | 06h38

A Bolsa de Tóquio fechou em queda, com as prestadoras de serviços públicos e os principais bancos em baixa ante a impaciência dos investidores com a falta de clareza sobre a visão do governo em relação ao futuro da combalida Tokyo Electric Power (Tepco). O índice Nikkei 225 perdeu 13,74 pontos, ou 0,1%, e fechou aos 9.607,08 pontos. As ações do setor de serviços públicos caíram pela oitava vez nas últimas dez sessões, encobrindo o efeito positivo do iene fraco sobre as principais exportadoras, como TDK e Olympus. Não teve impacto sobre o mercado o anúncio feito ao meio-dia (hora local) pelo Banco do Japão (BOJ, banco central) de que decidiu manter inalterada sua política monetária.

A instabilidade do pregão e o baixo volume de negócios ilustraram o desconforto dos investidores com a aparente divergência dentro do governo do primeiro-ministro Naoto Kan quanto ao futuro do setor de energia e aos possíveis pedidos para que os bancos perdoem parte das dívidas da Tepco. "O governo está profundamente dividido e levará algum tempo para que alguma decisão seja tomada", disse Yumi Nishimura, analista da corretora Daiwa Securities.

Embora os dados tenham mostrado que os estrangeiros têm sido compradores líquidos de ações japonesas por um recorde de 28 semanas consecutivas, essa tendência deve se enfraquecer, já que o alívio quantitativo dos EUA termina em junho, afirmou Mitsuhige Akino, administrador de fundos da Ichiyoshi Investment Management. "Haverá menos dinheiro para distribuir, então naturalmente menos recursos virão para o Japão." As informações são da Dow Jones

Tudo o que sabemos sobre:
bolsasTóquio

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.